Caixa terá auditoria externa para apurar denúncias de assédio
Redação 1Bilhão Educação Financeira
Caixa terá auditoria externa para apurar denúncias de assédio

Em reunião extraordinária, o Conselho de Administração da Caixa Econômica Federal aprovou, nesta quinta-feira (30), a contratação de uma auditoria externa para apurar as denúncias de assédio sexual contra Pedro Guimarães . Ele deixou o cargo de presidente do banco estatal para se defender das acusações investigadas pelo Ministério Público Federal.

O escândalo desencadeou uma devassa na Caixa por uma série de órgãos públicos, do MPF ao TCU. 

Em comunicado, a empresa disse que o Conselho aprovou também a indicação da vice-presidente de Habitação do banco, Henriete Alexandra Sartori Bernabé, para exercer, interinamente, o cargo de presidente até a posse da Daniella Marques, escolhida para substituir Guimarães, o que deve ocorrer na terça-feira (5).

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG 

A reunião foi marcada depois da divulgação de relatos de funcionárias que sofreram assédio sexual por parte de Pedro Guimarães. Segundo as testemunhas, ocupantes do alto escalão do banco tinham conhecimento das irregularidades. 

Após o afastamento de Guimarães, a Caixa admitiu em nota ter recebido denúncia anônima e aberto procedimento de investigação em maio deste ano. A contratação de auditoria externa tem por objetivo assegurar a condução dos trabalhos de forma imparcial e transparente.

"O conselho de administração da Caixa registra que condutas ilícitas não são toleradas, em especial as de assédio sexual ou de qualquer natureza, e, se comprovadamente praticadas por agentes da instituição, receberão o devido tratamento previsto na legislação e nas normas internas da empresa", diz a nota divulgada pelo colegiado. 

Guimarães esteve na Caixa e reuniu a diretoria, composta por vice-presidentes, para se despedir. Ele não participou da reunião do Conselho de administração.

MP pede investigação ao TCU

O Ministério Público junto ao Tribunal de Contas da União (TCU) pediu para a Corte investigar a conduta de Guimarães na Caixa por entender que as suspeitas de assédio sexual configuram “flagrante violação ao princípio da moralidade”, previsto na Constituição.

Na quarta-feira (7), a presidente do TCU, ministra Ana Arraes, já havia determinado internamente o pedido de informações sobre mecanismos de prevenção e combate ao assédio existentes na Caixa.

“Considero pertinente que este Tribunal realize ação de controle para avaliar o grau de maturidade dos instrumentos e das práticas de que esse banco público dispõe para prevenir e punir casos de assédio”, afirmou a ministra, em comunicado divulgado pelo TCU.

Ela entende que, mesmo com investigações em curso no Ministério Público Federal, o TCU deve apurar o caso "sob a perspectiva de avaliação e proposta de aprimoramento do Estado".

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários