Nota de vinte reais completou vinte anos nesta segunda (27)
pixbay
Nota de vinte reais completou vinte anos nesta segunda (27)

Parece que foi ontem, mas fazem duas décadas desde que a nota de R$ 20 reais chegou às mãos e ao dia a dia dos brasileiros. De lá para cá, além do visual da cédula – repaginado em 2012 – muita coisa mudou, principalmente o que era possível comprar com o valor.

Se atualizada pela  inflação atual, que corrói o poder de compra dos brasileiros, a cédula do mico-leão-dourado valeria R$ 69, de acordo com o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Em 2002, o salário mínimo subiu de R$ 180 para R$ 200. Os R$ 20, portanto, representavam 10% de quem ganhava o básico. Hoje, o valor representa 1,65% dos R$ 1.212 atuais.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG 

Os dados do IBGE também mostram que, nestes 20 anos, o carrinho de supermercado ficou 360% mais caro, e a lista de compras paga naquela época com R$ 20 foi minguando.

"O poder de compra encolheu bastante. A inflação acumulada é de 254% pelo IPCA, e com isso a realidade dos preços se alterou brutalmente. É como se a gente multiplicasse o preço dos produtos por quatro. A nota de R$ 20 compra muito menos diante de uma inflação tão alta. Em termos reais, se a gente divide ela pela inflação acumulada, é como se ela comprasse algo equivalente a R$ 5,65 atuais", calcula André Braz, economista da Fundação Getúlio Vargas (FGV).

Um encarte de supermercado do dia do lançamento da cédula mostrava que era possível comprar com o valor 1 kg de alcatra ou contra-filé, 5 kg de arroz, 1 kg de feijão, 1 kg de açúcar, 500 g de café, uma lata de leite em pó, um pacote de 1 kg de sabão em pó, um sabonete e um detergente de 500 ml. Ainda sobrariam R$ 0,06.

Já no encarte desta semana da mesma rede de supermercados, é possível comprar apenas 500 g de café e um frasco de detergente, ou um pacote de 5 kg de arroz e 1 kg de açúcar - nesse caso completando com R$ 0,94.

Ainda segundo o folheto da época, uma embalagem de 500 g de achocolatado custava R$ 2,37. Com R$ 20, era possível comprar quase 10 potes. De lá para cá, a mesma marca diminuiu o frasco, hoje com 370 g, vendida por R$ 7,19.

Uma lata de azeite, com 500 ml, custava R$ 4,56 em 2002, e R$ 20 pagavam quatro latas. Hoje, um vidro de 400 ml custa R$ 17,98.

A quantidade de bandejas de filézinho de frango também caiu. O quilo, que na época saía por R$ 4,39, hoje é vendido por R$ 11,98, na marca mais barata. Com pouco mais de R$ 20, portanto, é possível comprar duas embalagens, bem diferente das quase cinco que poderiam ser levadas na época pelo valor.

Ano do Penta

A cédula de R$ 20 foi a última a ser lançada na chamada primeira família do Real, e levou 18 anos até que outra nota entrasse em circulação: a de R$ 200, lançada em 2020. Nesse meio tempo, além da remodelação das notas, que passaram a ter tamanhos diferentes e novos dispositivos de segurança, a nota de R$ 1 foi suspensa.

Na semana em que a cédula foi lançada, a seleção masculina de futebol estava em busca do pentacampeonato na Copa do Mundo, realizada no Japão e na Coreia do Sul. Para ver os jogos, muitas famílias e amigos se reuniam durante a manhã ou ainda na madrugada, por conta da diferença de fuso horário.

Mas quando a comemoração pelas vitórias da seleção de Luiz Felipe Scolari se estendiam, o churrasco estava garantido - e por pouco.

Na semana da conquista do Penta, a mesma rede de supermercados vendia o quilo da alcatra e do contra-filé por R$ 4,49. Hoje, o valor na mesma rede é de R$ 34,98 ou R$ 36,98.

Já a linguiça toscana era vendida há 20 anos por R$ 2,29 o quilo, e a bandeja de coração de frango saía por R$ 4,55. A lata de 350 ml de cerveja de uma marca popular, hoje vendida por R$ 2,89 no mesmo local, custava R$ 0,59. Já a garrafa de refrigerante saía por R$ 1,28, R$ 4,71 a menos que os R$ 5,99 atuais.

Braz explica que, além da alta acumulada de 360% dos alimentos para consumo no domicílio, as carnes tiveram um aumento ainda maior:

"A carne subiu mais do que o aumento médio. O Brasil está exportando mais e as commodities que fazem parte da produção estão mais caras. Se fosse apenas pela inflação geral acumulada, o quilo (da alcatra ou contra-filé, com preço de referência do supermercado citado) estaria por volta de R$ 16. Se levamos em conta a inflação dos alimentos, R$ 21, mas ainda distante dos preços que temos hoje", diz.

Outro item em que o preço atual impressiona na comparação com os encartes antigos é o café. O pacote de 500 g saía por R$ 1,88, e hoje, a embalagem da mesma marca é vendida por R$ 17,48. O produto ficou 70% mais caro nos últimos dose meses.

"No ano passado tivemos um frio muito intenso, que provocou um prejuízo grande no setor. Foi um super choque. A safra do café é bianual, o que quer dizer que a produção de uma boa safra acontece a cada dois anos, então custa a restabelecer o mercado e o preço voltar ao normal."

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários