Desde 1º de abril o preço dos medicamentos tiveram um reajuste de 10,89%
Fernanda Capelli
Desde 1º de abril o preço dos medicamentos tiveram um reajuste de 10,89%

O Procon Carioca notificou sete farmácias por conta do  reajuste no preço de medicamentos maior do que autorizado pelo governo federal, que é de 10,89%. Segundo a autarquia, a dipirona, paracetamol, nimesulida, torsilax, glifage, rivaroxabana, clonazepam, sinvastatina, metilfenidato e rosuvastatina estavam com o preço mais alto do que o permitido.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG 

Ao todo, dez produtos foram pesquisados e, entre os valores que chamaram a atenção dos fiscais, o preço cobrado pelo paracetamol mereceu destaque, com diferença de 66,32% em relação ao índice de reajuste autorizado. O multifenidato, utilizado por pacientes com transtorno de déficit de atenção, apresentou aumento de 33,11% e a dipirona de 34,56%.

"Os preços não podem ser aumentados além do permitido e a equipe do Procon Carioca tem feito o monitoramento e continua a acompanhar para coibir qualquer desrespeito às leis consumeristas", afirmou o diretor executivo do instituto, Igor Costa.

As farmácias deverão apresentar esclarecimentos, com comprovação, na sede do Procon Carioca, no Rio de Janeiro.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários