Após pedido do governo para segurar reajuste, Petrobras diz que mantém compromisso com preços competitivos
Ivonete Dainese
Após pedido do governo para segurar reajuste, Petrobras diz que mantém compromisso com preços competitivos

A Petrobras disse em comunicado enviado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) que mantém seu compromisso com a prática de preços competitivos. Em meio a rumores de  pressão do governo para evitar novos reajustes da gasolina e diesel, a estatal disse que busca “equilíbrio com o mercado, ao mesmo tempo em que evita o repasse imediato das volatilidades externas e da taxa de câmbio causadas por eventos conjunturais”.

A intenção da estatal é reajustar os preços de diesel e gasolina entre 6% e 7% nas refinarias, de acordo com uma fonte do setor. Não há uma clareza ainda de quando esse aumento seria feito. A avaliação na empresa é de que há uma defasagem crescente entre os preços da Petrobras e os do mercado internacional.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG

A companhia afirmou ainda que monitora continuamente os mercados, "o que compreende, dentre outros procedimentos, a análise diária do comportamento de nossos preços relativamente às cotações internacionais".

O pedido do governo para manter os preços da gasolina e do diesel é visto com resistência pela atual diretoria executiva da estatal, ainda chefiada pelo presidente demissionário José Mauro Coelho. No entanto, parte do alto escalão da companhia chegou a considerar a proposta como "razoável".

A gasolina está há 96 dias sem aumento, enquanto o diesel está congelado há 33 dias. Segundo fontes na empresa e no governo, a avaliação do Planalto é que um aumento feito pela estatal neste momento poderia atrapalhar o processo de aprovação na Câmara dos Deputados do projeto de lei que limita o ICMS em 17%.


De acordo com dados da Abicom, que reúne as empresas importadoras, a defasagem nesta terça-feira (14) está em 16% para gasolina e diesel. Ou seja, a Petrobras vende a gasolina e o diesel mais barato do que compra no exterior em R$ 0,73 por litro e R$ 0,99 por litro, respectivamente.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários