Petrobras resiste a pressões de Bolsonaro para segurar reajustes
Ivonete Dainese
Petrobras resiste a pressões de Bolsonaro para segurar reajustes

O pedido do governo para que a Petrobras segurasse o reajuste dos preços da gasolina e do diesel  é visto com resistência pela diretoria executiva da estatal. Mas parte do alto escalão da companhia chegou a considerar a proposta como "razoável".

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG

Segundo uma fonte, a ideia do governo é que um aumento feito pela estatal neste momento poderia atrapalhar o processo de aprovação do projeto de Lei na Câmara dos Deputados, que limita o ICMS em 17%.

A intenção da estatal é reajustar os preços de diesel e gasolina entre 6% e 7% nas refinarias, de acordo com uma fonte do setor. Não há uma clareza ainda de quando esse aumento seria feito.

Há, no entanto, forte pressão de integrantes do Conselho de Administração para que a diretoria executiva da companhia não faça reajustes nesta semana.

Uma outra fonte lembrou que a decisão do aumento está a cargo de um grupo na estatal formado pelo presidente da Petrobras, José Mauro Ferreira Coelho, o diretor Financeiro, Rodrigo Araujo Alves, e Claúdio Mastella, diretor de Comercialização e Logística.

Pelas regras da companhia, o grupo calcula o aumento com base no avanço do petróleo e do dólar, levando em conta a volatilidade nos preços, e informa na véspera o governo e integrantes do Conselho de Administração.

Desde a semana passada já havia circulado entre o alto escalão da companhia a intenção do grupo liderado por Coelho em reajustar gasolina e diesel com percentuais entre 9% e 11%. Esse valor iria cobrir boa parte da defasagem no exterior nas últimas semanas, destacou uma fonte.

Porém, essa fonte explicou que, como o cálculo do percentual de reajuste cabe à diretoria executiva, esses percentuais podem ser alterados de última hora, pois a "prestação de contas é feito a posteriori". Em razão disso se chegou a consenso de que variação poderia ficar entre 6% e 7%.

Procurada, a estatal não comenta. A reunião entre os integrantes do governo, com o Ministério de Minas e Energia e a pasta da Economia, que estava marcada para esta terça-feira foi antecipada (14) para a noite de segunda-feira (13). No encontro, "o governo ouviu uma resposta que não era do seu interesse", lembrou uma outra fonte.

Defasagem está em 16%, diz Abicom

De acordo com dados da Abicom, que reúne as empresas importadoras, a defasagem está nesta terça-feira em 16% para gasolina e diesel. Ou seja, a Petrobras vende a gasolina e o diesel mais barato do que compra no exterior em R$ 0,73 por litro e R$ 0,99 por litro, respectivamente.

Há duas semanas, o preço do barril ultrapassou os US$ 120 por barril, patamar que se mantém até hoje no mercado internacional. Além disso, o dólar também vem aumentando, já que a cotação passou de R$ 4,77, no dia três de junho, para os atuais R$ 5,14.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários