Servidores devem se reunir no próximo dia 7 de junho para decidir sobre manutenção da greve
Redação 1Bilhão
Servidores devem se reunir no próximo dia 7 de junho para decidir sobre manutenção da greve

O Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central (Sinal) decidiu na manhã desta terça-feira (31) continuar com a greve dos servidores por tempo indeterminado e ressaltou a intensificação da cobrança sobre a diretoria do BC. Segundo o Sinal, 85% dos participantes da assembleia votaram pela manutenção da paralisação.

O sindicato ainda pede para que o governo federal e os representantes do Banco Central reabram a mesa de negociações para reajustar os salários dos servidores. No começo de maio, o presidente do BC, Roberto Campos Neto, enviou uma proposta de aumento em 22% nos vencimentos, mas recuou horas depois e não ofereceu uma nova contraproposta. A porcentagem era muito acima da proposta do Palácio do Planalto, que quer reajuste de apenas 5% para os servidores.

A paralisação começou oficialmente no dia 1° de abril, após quase dois meses de manifestações pontuais. Em duas semanas, a greve afetou a entrega de dados do Boletim Focus e outros serviços do BC, o que fez Campos Neto abrir as portas para negociar um reajuste.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG

Entretanto, o aumento para outros servidores esbarra no limite do teto de gastos e a necessidade do presidente Jair Bolsonaro (PL) em recuperar sua popularidade na classe da segurança pública. Nesta semana, Bolsonaro criticou os movimentos de servidores e disse que os protestos prejudicam o reajuste salarial para policiais rodoviários federais.

Continuidade da greve

Os membros do sindicato que representa os funcionários do Banco Central devem se reunir novamente no próximo dia 7 de junho para discutir a continuidade da greve. Até lá, o presidente do Sinal, Fábio Faiad, tentará entrar em um acordo com Campos Neto.

A manutenção da paralisação poderá afetar os serviços de divulgação do BC, como o Boletim Focus e dados sobre a dívida pública, e até a próxima reunião do Comitê de Políticas Monetárias (Copom), marcada para 14 e 15 de junho. As operações via PIX, no entanto, não devem ser prejudicadas.

** João Vitor Revedilho é jornalista, com especialidade em política e economia. Trabalhou na TV Clube, afiliada da Rede Bandeirantes em Ribeirão Preto (SP), e na CBN Ribeirão. Se formou em cursos ligado à Rádio e TV, Políticas Públicas e Jornalismo Investigativo.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários