Rodrigo Pacheco
Reprodução / Tv Cultura
Rodrigo Pacheco

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), disse que o projeto que limita o ICMS aprovado nesta quarta-feira (25) na Câmara dos Deputados será discutido no Senado entre líderes e parece ser um "instrumento inteligente" para reduzir o preço dos combustíveis.

"Vamos sentar à mesa e definir o trâmite desse projeto, mas dar a ele, evidentemente, a importância devida, porque parece ser um instrumento inteligente para a redução do preço dos combustíveis", disse Pacheco a jornalistas na manhã desta quinta-feira (26).

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG 

O texto aprovado pela Câmara limita o ICMS a 17% para energia, combustíveis, telecomunicações e transporte coletivo. Este patamar chega a ser metade do cobrado por alguns estados. A medida deve reduzir em até 12% o preço destes produtos e serviços em alguns estados — segundo os defensores do projeto —, o que pode aliviar a inflação e beneficiar a popularidade do presidente Jair Bolsonaro neste ano eleitoral.

Por outro lado, se aprovada, a proposta pode retirar até R$ 83,5 bilhões por ano dos caixas de estados e municípios. Por isso, sofre resistência de governadores, que Pacheco promete ouvir em busca de "consenso".

"O Senado Federal é a Casa da federação, dos estados, e se há uma premissa básica é de ouvir os estados através de seus governadores. Alguns já se mostraram até muito interessados a debater isso, como o governador do Distrito Federal, do Espírito Santo, do Rio de Janeiro. São muito atuantes na defesa de seus estados e todos são muito bem-vindos."

O presidente do Senado evitou dar uma estimativa de quando o texto será votado e disse que ainda se sabe se será enviado às comissões permanentes ou votado diretamente pelo plenário da Casa.

"A intenção do Congresso Nacional é buscar soluções inteligentes e efetivas para a redução do preço dos combustíveis. Uma vez votado na Câmara, daremos toda a atenção ao projeto. Já vamos promover uma reunião de líderes na próxima semana", afirmou.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários