José Mauro Coelho diz que travou 'o bom combate' em grupo de WhatsApp
Jefferson Rudy / Agência Senado/7-10-2019
José Mauro Coelho diz que travou 'o bom combate' em grupo de WhatsApp

No dia seguinte à demissão do presidente da Petrobras, José Mauro Coelho, clima de ressaca. Os relatos de executivos e funcionários nesta terça-feira (24) é de muita confusão e pouca produtividade na petroleira, que enfrenta uma nova troca de comando em 40 dias.

Além da surpresa provocada pela substituição relâmpago do comando da companhia, o clima é de paralisia e indefinição de projetos. As reuniões estão inconclusas com os principais gestores sem saber qual será a nova condução estratégica da empresa, que tem para executar um plano de investimentos de nada menos de US$ 68 bilhões (quase US$ 330 bilhões) em cinco anos.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG 

A falta de rumo se deve principalmente ao fato de que executivos da estatal já dão como certo de que a intervenção do presidente Jair Bolsonaro não se limitará à troca do presidente.

Depois da indicação do nome de Caio Mário Paes de Andrade para a cadeira de Coelho, o que demandará a formação de um novo Conselho de Administração, a expectativa é de que o governo também substitua membros da diretoria. Há um clima de que “tudo é possível”. Uma fonte afirmou que é “difícil trabalhar nesse clima” e pontou que poucos sabem o que esperar do novo presidente.

Coelho: ‘Travamos o bom combate’

No fim da manhã, Coelho se despediu em um grupo de WhatsApp que reúne pessoas do setor de óleo e gás. Em uma mensagem, agradeceu palavras de apoio:

“Obrigado pela mensagem. Trabalhamos com responsabilidade e seriedade, travamos o bom combate. Seguimos em frente. Contem sempre comigo. Um grande e forte abraço”.

A avaliação predominante na Petrobras é a de que o governo vai buscar “nomes 100% alinhados” para cargos-chave na empresa. O maior temor, porém, é que o Conselho de Administração sob nova composição tente emplacar uma alteração no estatuto da empresa, cujas políticas de boas práticas de governança corporativa foram reforçados desde o escândalo de corrupção investigado pela Lava-Jato.

A desconfiança é de que o governo pretende alterar especificamente o artigo do estatuto que trata da exigência de que a estatal só altere sua política de preços se for compensada pela União, em caso de impacto no lucro da empresa. É este artigo do estatuto que trava qualquer tentativa de controle artificial dos preços de combustíveis, dizem fontes a par do assunto.

Reunião presencial e pauta em mudança

O Conselho de Administração da Petrobras reúne-se nesta quarta-feira (25) presencialmente e os integrantes já sabem que, com a necessidade de nova assembleia de acionistas para eleger Andrade para o conselho no lugar de Coelho, podem não ser reconduzidos.

Na tarde desta terça-feira, começaram a surgir rumores de que a pauta da reunião do Conselho de Administração marcada para amanhã será alterada. Originalmente, estava prevista a discussão informal sobre ajustes no critério da política de preços em relação à volatilidade na cotação, uma avaliação do orçamento de investimentos de 2021, a venda da refinaria Lubnor e o plano de negócios de 2023-2027.

Porém, a pauta pode ser alterada para se deliberar sobre a convocação da assembleia de acionistas para alterar o conselho, o que pode ocorrer no fim de junho.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários