Dos 12 milhões de brasileiros desempregados, 64% são pretos e pardos
shutterstock
Dos 12 milhões de brasileiros desempregados, 64% são pretos e pardos

Dos 12 milhões de brasileiros desempregados no primeiro trimestre de 2022, 64% se declaram pretos e pardos. É o que apontam os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua, divulgados nesta sexta-feira (13) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia

São considerados desocupados aqueles que não estão no mercado de trabalho, podem trabalhar e estão em busca de uma vaga.

A taxa de desocupação atingiu 11,1% da população em idade para trabalhar no país nos primeiros três meses do ano. Pardos são a maioria (50,8%). Em seguida, vêm os brancos, com 34,8%, e pretos, com 13,4%.

O número de mulheres desempregadas também é superior ao de homens. No primeiro trimeste de 2022, elas representavam 53,9% dessa população. 

A taxa de desemprego é maior entre pessoas de 25 a 39 anos de idade (35,9%). Em segundo lugar, ficaram os jovens de 18 a 24 anos, com 30,6%. Adolescentes de 14 a 17 anos representavam 7,2% dos desempregados, e pessoas com 60 anos ou mais, 2,5%.

Informalidade

O percentual de trabalhadores sem carteira assinada no Brasil foi de 40,1% nos três primeiros meses de 2022. As maiores taxas de informalidade ficaram com Pará (62,9%), Maranhão (59,7%) e Amazonas (58,1%), e as menores, com Santa Catarina (27,7%), Distrito Federal (30,3%) e São Paulo (30,5%).

Rendimento

De acordo com o IBGE, o rendimento médio real dos brasileiros foi estimado em R$ 2.548 no período. O valor é maior do que o apresentado no trimestre anterior, de R$ 2.510, mas menor em comparação com o mesmo trimestre do ano passado, de R$ 2.789.

Cerca de 3,5 milhões de brasileiros estão desempregados há mais de 2 anos

Ainda segundo a Pnad Contínua, cerca de três em cada dez brasileiros desempregados estão em busca de uma realocação no mercado de trabalho há mais de dois anos.

O chamado desemprego de longa duração, com tempo de espera superior a dois anos, atingia 3,463 milhões de pessoas no primeiro trimestre de 2022, o que correspondia a cerca de 29% do total de desempregados.

Trata-se da segunda maior taxa do desemprego de longa duração de toda a série da pesquisa, iniciada em 2012.

Número de desempregos por tempo de procura por trabalho

  • Total: 11,949 milhões;
  • Menos de 1 mês: 2,060 milhões;
  • De 1 mês a menos de 1 ano: 4,879 milhões;
  • De 1 ano a menos de 2 anos: 1,546 milhões;
  • 2 anos ou mais: 3,463 milhões.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários