Lula tem 40,6% das intenções de voto, Bolsonaro 32% e Ciro 7,1%, aponta CNT
Reprodução: ACidade ON
Lula tem 40,6% das intenções de voto, Bolsonaro 32% e Ciro 7,1%, aponta CNT

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) prometeu nesta quarta-feira (11) que reverterá uma possível privatização da Petrobras. O presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Economia, Paulo Guedes, já manifestaram apoio à ideia e o novo ministro de Minas e Energia,  Adolfo Sachsida, conduzido ao cargo ontem, pediu estudos sobre a desestatização da empresa e da PPSA, responsável pelo Pré-sal.

“Quem se meter a comprar a Petrobras vai ter que conversar conosco depois da eleição”, declarou Lula em Juiz de Fora (MG), onde criticou possíveis privatizações do governo Bolsonaro.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia 

“O presidente da República ao invés de ter coragem de colocar a mão e resolver o problema fica trocando de presidente da Petrobras e de ministro de Minas e Energia. Ele, na verdade, não sabe o que está fazendo”, completou Lula.

Em seu primeiro pronunciamento como ministro de Minas e Energia, Sachsida disse que vai priorizar a privatização da Eletrobras e da Petrobras. Ele também citou como exemplos de projetos de seu interesse que estão em tramitação no Congresso os que tratam da modernização do setor elétrico e o da mudança do regime de partilha para concessão no pré-sal.

"Precisamos dar prosseguimento ao processo de capitalização da Eletrobras. É fundamental avançarmos no projeto, sinal importante para atrair mais capital ao Brasil e mostrar que o Brasil é o porto seguro dos investimentos", afirmou Sachsida.

"Meu primeiro ato como ministro de Minas e Energia é solicitar ao ministro Paulo Guedes, presidente do conselho do PPI, que leve ao conselho a inclusão da PPSA no PND (Plano nacional de Desestatização) para avaliar as alternativas para a sua desestatização. Ainda como parte do meu primeiro ato, solicito também o início dos estudos tendentes a proposição das alterações legislativas necessárias a desestatização da Petrobras", adicionou o novo ministro.

Lula também criticou o processo de venda da Eletrobras e disse que sem a empresa não haveria o programa "Luz Para Todos", criado no seu governo.

A privatização da empresa de luz deve atrasar. Isso porque o TCU (Tribunal de Contas da União) indicou que fará uma fiscalização adicional na empresa , o que deve postergar o julgamento. 

O petista citou os Correios, que teve a desestatização aprovada pela Câmara, mas não pelo Senado. “Não tente privatizar o Banco do Brasil, a Caixa Econômica, o BNB e o BASA. Aprendam a trabalhar, aprendam a investir, aprendam a fazer política econômica ao invés de vender as coisas que já estão prontas”, disse o ex-presidente.

Teto de gastos

Em encontro com reitores na Universidade Federal de Juiz de Fora (MG), Lula declarou que não terá teto de gastos em seu governo . A medida fiscal foi implementada em 2016 com o objetivo de conter a expansão de gastos públicos e já vinha sendo objeto de críticas do petista.

"Não vai ter teto de gastos no meu governo. Vamos investir em educação, porque é o que dá mais retorno ao país. O que vai resolver a relação dívida e Produto Interno Bruto (PIB) é o crescimento do PIB", disse Lula, que defendeu criar mais universidades no país.

Lula lidera cenário eleitoral

Um levantamento divulgado pela Confederação Nacional do Transporte (CNT) nesta terça-feira (10) indica que o ex-presidente, Luiz Inácio Lula da Silva (PT) , segue na liderança com 40,6% das intenções de voto . Em seguida,  o  presidente Jair Bolsonaro (PL) avança com 32% na pesquisa estimulada, quando os nomes dos candidatos são apresentados aos entrevistados.

Em relação à pesquisa anterior, feita em fevereiro de 2022, a distância entre Lula e Bolsonaro era maior. O petista tinha 42,2%, enquanto o atual mandatário tinha 28%.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários