Ministro da Economia, Paulo Guedes
EDU ANDRADE/Ascom ME 10.03.2022
Ministro da Economia, Paulo Guedes

O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse nesta terça-feira (3) que a guerra entre a Rússia e a Ucrânia provou que o Brasil é um destino "próximo e confiável" para investimentos. 

“Estamos enfrentando agora um momento de guerra geopolítica que, na verdade, está requalificando o Brasil como um parceiro próximo do ponto de vista logístico e como um parceiro confiável do ponto de vista de uma democracia liberal, estável, segura e de uma economia de livre mercado, que quer se integrar à economia global”, afirmou Guedes durante a cerimônia de posse da nova diretoria da Anfavea (Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores).

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia 

Segundo Guedes, os investidores estrangeiros observam dois fatores ao aplicar o dinheiro no exterior: a facilidade de se integrar logisticamente e a confiança no sistema político e econômico do país.

“Tem que ser uma democracia liberal, um país que não pensa em guerra, um país que pensa em integração econômica, pensa em liberdade, democracia”, falou. Segundo ele, a segurança é hoje um “fator crítico para a decisão de investimento”.

Ainda de acordo com o ministro, o Brasil atende os dois requisitos e está pronto para ser reindustrializado por meio de medidas como o cortes de impostos e a abertura econômica.

No dia 29 de abril, o governo publicou um decreto que amplia a redução do IPI (Imposto Sobre Produtos Industrializados) de 25% para 35%. Ainda assim, as vendas de veículos não refletiram a diminuição do preço. 

As vendas de veículos automotores novos tiveram queda de 6,07% em abril em comparação ao mesmo mês do ano passado. Foram comercializados 270.560 veículos, ante 288.045 em abril de 2021. Em comparação a março último, o declínio foi menor, de 1,11%. Já no acumulado do ano (de janeiro a abril), as vendas somam 996.900 unidades, 7,18% a menos do que o registrado no mesmo período do ano passado. Os dados divulgados hoje (3) são da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave).

“Temos notado uma recuperação gradativa nos emplacamentos. Apesar de ainda estarmos em retração, no acumulado do ano, notamos que, no fechamento do primeiro bimestre de 2022, o volume estava cerca de 13% menor se comparado a igual período de 2021. Agora, a retração caiu para pouco mais de 7%, o que sinaliza um movimento de retomada”, destacou o presidente da Fenabrave, Andreta Jr.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários