Chuva pesa na produção da Vale
Ivonete Dainese
Chuva pesa na produção da Vale

 A Bolsa tem leve queda e o dólar opera com queda ante o real no início desta quarta-feira (20). No pregão, os investidores aguardam a divulgação de dados da economia americana, em meio a preocupações com o patamar alto da inflação global.

Na cena interna, o destaque vai para o noticiário corporativo. O mercado repercute os dados de produção da Vale, divulgados após o fechamento de terça-feira (19), e o julgamento do processo de privatização da Eletrobras pelo Tribunal de Contas da União (TCU).

Por volta de 10h30, o Ibovespa caía 0,20%, aos 114.830 pontos.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia 

No mesmo horário, a moeda americana tinha baixa de 0,25%, negociada a R$ 4,6561, após abrir em alta.

Nos EUA, os agentes aguardam a divulgação do “Livro Bege”, um resumo das atuais condições econômicas do país que será apresentado pelo Federal Reserve, Banco Central americano.

A divulgação ganha importância à medida que se aproxima a próxima reunião de política monetária do Fed, marcada para o início de maio. Uma nova elevação da taxa básica de juros é dada como certa, restando saber qual será a magnitude e as sinalizações do banco sobre a continuidade do ciclo.

Ainda no exterior, o Banco Central chinês decidiu manter inalteradas as taxas referenciais de empréstimos de um e cinco anos, contrariando as expectativas de parte dos analistas.

Com a introdução de novas medidas de restrições sanitárias que penalizam as empresas no país e prejudicam o crescimento, esperava-se que mais medidas de estímulo fossem adotadas pelo BC chinês.

Vale tem produção abaixo do esperado

A Vale reportou uma produção de minério de ferro de 63,9 milhões de toneladas no primeiro trimestre, número considerado abaixo das expectativas.

Em relatório, os analistas da Ativa Investimentos, que esperavam 67 milhões de toneladas, avaliam que a avaliação do mercado deva ser negativa. 

Eles ponderam que as expectativas para o período já estavam ancoradas para baixo.

“De positivo, os maiores prêmios deverão compensar em parte a fraqueza operacional registrada em finos de minério. Em metais básicos, a expectativa de normalização das operações se mantém de forma mais firme para níquel, enquanto na operação de cobre, Vale dá sinais que seguirá enfrentando desafios durante os próximos trimestres”, escreveram os analistas Ilan Arbetman e Tadeu Lourenço, em relatório.

Os papéis ordinários da companhia (VALE3, com direito a voto) cediam 2,10%.

O Goldman Sachs, que avaliou o resultado como neutro, destaca um cenário de dificuldades para empresa, levando em conta as atuais condições de mercado.

“Os dados de propriedades da China (mais importantes para a demanda de aço e minério de ferro) têm sido muito fracos e constantemente decepcionantes. Além disso, os investidores estão preocupados com um declínio na demanda de aço estrutural e minério de ferro na China devido à desalavancagem contínua do setor imobiliário”, destacaram os analistas Marcio Farid, Gabriel Simoes e Henrique Marques, em relatório.

Eletrobras sobe, com expectativa por julgamento

Ainda na cena corporativa, segue o impasse sobre o processo de privatização da Eletrobras.

Leia Também

O TCU retoma o julgamento do processo nesta quarta, mas um novo pedido de vista deve atrasar o cronograma e pode inviabilizar que a privatização ocorra este ano.

Os papéis ON da companhia (ELET3) subiam 2,66% e os preferenciais (ELET6, sem direito a voto), 3,14%.

As ordinárias da Petrobras (PETR3) subiam 1,01% e as preferenciais (PETR4), 0,82%.

As ordinarias da Siderúrgica Nacional (CSNA3) caíam 1,21%.

No setor financeiro, as preferenciais do Itaú (ITUB4) e do Bradesco (BBDC4) tinham quedas de 0,08% e 0,20%, respectivamente.

Usiminas tem lucro de R$ 1,26 bi

A Usiminas abriu a temporada de balanços do primeiro trimestre de 2022, reportando lucro consolidado de R$ 1,26 bilhão, avanço de 5% ante o mesmo período do ano passado.

O Ebitda (lucro antes juros, impostos, depreciação e amortização, na sigla em inglês) ajustado somou R$ 1,560 bilhão no 1T22, recuo de 36% na comparação com igual etapa de 2021.

A receita líquida da companhia no período totalizou R$ 7,84 bilhões, alta de 11% ante o ano anterior.

O volume de vendas de aço foi de 1,135 milhões de toneladas no período, redução de 10% frente ao volume registrado em 2021. Já o volume de vendas de minério de ferro caiu 17% no primeiro trimestre de 2022, atingindo 1,610 milhões de toneladas. 

Os papéis preferenciais da companhia (USIM5) cediam 3,21%.

Petróleo avança

Os preços dos contratos futuros do petróleo apresentavam recuperações após as fortes perdas da véspera.

Por volta de 10h20, no horário de Brasília, o contrato para junho do petróleo tipo Brent subia 0,74%, negociado a US$ 108,04, o barril.

Já o preço para maio do petróleo tipo WTI avançava 0,86%, cotado a US$ 103,44, o barril.

Bolsas no exterior

Na Europa, as bolsas operam no positivo. Por volta de 10h30, em Brasília, a Bolsa de Londres subia 0,09% e a de Frankfurt, 1,09%. Em Paris, ocorria alta de 1,23%.

As bolsas asiáticas fecharam com direções contrárias. O índice Nikkei, da Bolsa de Tóquio, subiu 0,86%. Em Hong Kong, houve baixa de 0,40% e na China, de 1,35%.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários