Inflação aumenta risco de recessão global
Pixabay
Inflação aumenta risco de recessão global

A inflação mais rápida em décadas e a corrida dos bancos centrais para aumentar as taxas de juros estão alimentando temores de recessão nos mercados financeiros - preocupações que estão sendo agravadas pelo impacto dos  bloqueios agressivos de coronavírus na China e da guerra na Ucrânia .

Somente na última semana, os Estados Unidos e o Reino Unido registraram a maior aceleração da inflação desde o início da década de 1980 e os bancos centrais do Canadá e da Nova Zelândia forneceram um modelo para outros bancos centrais do mundo, como o Federal Reserve dos Estados Unidos, elevando as taxas em 50 pontos base pela primeira vez em 22 anos.

O Bank of America informou que os gestores de fundos se mostraram pessimistas com as perspectivas de crescimento, e o JPMorgan Chase aumentou suas reservas para se proteger contra uma deterioração econômica.

Enquanto isso, nações como Sri Lanka e Paquistão mergulharam em crises econômicas. As Nações Unidas alertaram sobre uma "tempestade perfeita" para os países em desenvolvimento com o aumento dos preços das commodities. A Organização Mundial do Comércio cortou suas perspectivas para o avanço do comércio global.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia

É nesse cenário que os formuladores de políticas vão a Washington, capital dos EUA, esta semana para reuniões do Fundo Monetário Internacional (FMI) e do Banco Mundial. O FMI já prevê que a guerra na Ucrânia reduzirá a previsão para o crescimento de 143 economias este ano, que, juntas, respondem por 86% do Produto Interno Bruto (PIB, soma de todas as riquezas) global. "Estamos enfrentando uma crise em cima de uma crise", disse a diretora-gerente do FMI, Kristalina Georgieva.

Mas também há razões para pensar que a resiliência, com estagflação em vez de uma recessão global, pode estar na ordem do dia, pelo menos para as nações ricas.

Graças aos estímulos durante os meses mais críticos da pandemia, as famílias nos mercados desenvolvidos ainda têm de 11% a 14% da renda em poupança, de acordo com uma análise do JPMorgan Chase.

A alavancagem está em mínimos de várias décadas e a renda está avançando a uma taxa anual de cerca de 7% em meio ao aperto dos mercados de trabalho. Nos EUA, relatórios da semana passada sobre vendas no varejo e o sentimento do consumidor ofereceram esperança de que todos os consumidores não recuassem, apesar dos choques de preços.

Leia Também

"Vejo mais razões para a economia global desacelerar do que para acelerar novamente", disse Stephen Jen, que administra a Eurizon SLJ Capital, um fundo de hedge e consultoria em Londres. "No entanto, se entrará em recessão é uma história totalmente diferente, simplesmente porque a redução da Covid-19 em todo o mundo deve desencadear uma enorme demanda reprimida, ajudando a compensar boa parte dos ventos contrários".

Porém, a inflação com alimentos e combustíveis preocupa. Cerca de 84% dos americanos planejam cortar gastos por causa dos preços mais altos, de acordo com uma pesquisa da Harris para a Bloomberg News.

Assim, os bancos centrais também estão elevando as taxas de juros com o Fed agora mais propenso a aumentar em meio ponto a taxa básica no próximo mês pela primeira vez desde maio de 2000 e começar a reduzir sua carteira de títulos. Espera-se que o presidente Jerome Powell aborde as perspectivas na quinta-feira (21).

Os gestores de fundos pesquisados pelo BofA viram um risco de 83% de um erro de política. Um perigo é que os formuladores de políticas  possam reagir tarde demais ao aumento da inflação.

"A razão pela qual estamos olhando para um crescimento muito mais lento é que os bancos centrais  apertem a política monetária de modo a reduzir a demanda", disse Karen Dynan, membro sênior do Peterson Institute para Economia Internacional.

Menor crescimento global

Dynan estimou que o crescimento global diminuirá para 3,3% neste ano e no próximo, em comparação com 5,8% em 2021. As grandes economias avançadas vão crescer moderadamente este ano e enfraquecerão ainda mais em 2023. Grandes mercados emergentes enfrentam uma perspectiva "divergente" com a Índia melhorando e a China enfrentando bloqueios e uma queda no mercado imobiliário.

O ritmo dos desenvolvimentos este ano pegou os formuladores de políticas desprevenidos, disse Dynan.

O principal conselheiro econômico da Casa Branca, Brian Deese, disse na semana passada que os EUA enfrentam muita incerteza. O primeiro-ministro da China, Li Keqiang, disse que há uma necessidade urgente de estímulo do governo.

A invasão da Ucrânia pela Rússia ofuscou uma desaceleração cada vez maior na China, à medida que o governo continua com sua política rigorosa de controle da Covid-19 que paralisou a produção nos centros industriais e financeiros de Shenzhen e Xangai e manteve milhões de pessoas em casa. Isso deve fazer o crescimento chegar a 5%, abaixo da meta oficial de cerca de 5,5%.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários