Dólar cai 0,79% e pode fechar com maior queda trimestral desde 2009
Felipe Moreno
Dólar cai 0,79% e pode fechar com maior queda trimestral desde 2009

O dólar fechou nesta quinta-feira (31) em queda de 0,57%, negociado a R$ 4,7592 e teve recuo trimestral de 14,63%. Essa é a maior baixa da moeda norte-americana em um trimentre desde junho de 2009.

No pregão, a moeda sofreu influência da formação da Ptax de março, taxa calculada pelo Banco Central (BC). Ao longo do dia, os agentes do mercado tentaram direcionar a cotação para valores mais favoráveis ante suas posições na moeda. 

A vitória foi dos "vendidos", que são aqueles que apostam na baixa da moeda.

"Ajudou mais uma vez para o fortalecimento do real, a continuidade do ingresso de investidores estrangeiros. Já na parte da tarde, o dólar continuou no terreno negativo, ainda refletindo a briga da Ptax, mas afastando-se das mínimas", destacou o analista da corretora de câmbio Correparti, Guilherme Esquelbeck.

Já o Ibovespa cedeu 0,22%, aos 119.999 pontos. No mês, o principal índice da B3 teve alta de 6,06%. No ano, o Ibovespa tem alta de 14,48%

"A queda das commodities prejudicou o desempenho do índice, mas o recuo dos juros acabou impedindo perdas maiores", destacaram analistas da Guide Investimentos, em relatório.

Inflação nos EUA segue alta

Nos EUA, o índice de preços das despesas de consumo pessoal aumentou 0,6% em fevereiro, após avançar 0,5% em janeiro. Nos 12 meses até fevereiro, o índice subiu 6,4%. É maior aumento desde 1982.

O núcleo do índice, que exclui componentes voláteis de alimentos e energia, subiu 0,4% em fevereiro depois de avançar 0,5% em janeiro. No acumulado anual, a alta foi de 5,4%. É o maior ganho desde 1983.

Os números são importantes, pois ajudam os mercados a calibrar suas expectativas sobre os próximos passos do aperto monetário que já começou a ser imposto pelo Federal Reserve, Banco Central americano.

No país, também foram divulgados números sobre o mercado de trabalho. Os pedidos iniciais de seguro-desempego aumentaram em 14 mil na semana encerrada em 26 de março, chegando no patamar de 202 mil, um pouco acima das expectativas.

Quer ficar bem informado sobre tudo que acontece na economia do Brasil e do Mundo? Acompanhe o  canal do Brasil Econômico no Telegram

Ainda na cena externa, os investidores monitoram os desdobramentos do conflito entre Rússia e Ucrânia. Na véspera, os principais índices acionários globais fecharam em queda com um sentimento mais negativo ante as negociações entre os dois países.

Ações

Entre as ações, as ordinárias da Petrobras (PETR3, com direito a voto) cediam 0,54% e as preferenciais (PETR4, sem direito a voto), 0,15%.

Leia Também

Na mesma semana em que o governo anunciou mudanças no comando da Petrobras, a estatal alertou a investidores estrangeiros que o presidente Jair Bolsonaro pode impor mudanças na política de preços da companhia.

Leia Também

As ordinárias da Vale (VALE3) cediam 0,15% e as da Siderúrgica Nacional (CSNA3), 1,24%.

As preferenciais da Usiminas (USIM5) cediam 1,67%.

No setor financeiro, as preferenciais da Itaú (ITUB4) e do Bradesco (BBDC4) tinham quedas de 1,24% e 1,675, respectivamente.

Petróleo cai

Os preços dos contratos futuros do petróleo apresentavam baixas, com notícias de que os EUA poderiam liberar até 1 milhão de barris por dia de sua reserva estratégica, segundo informou o The Wall Street Journal.

O volume a ser liberado é sem precedentes. Seria um milhão de barris por dia por 180 dias.

Em paralelo, os membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo e seus aliados (Opep+) anunciaram hoje que não vão se desviar do seu cronograma de aumentos graduais de produção.

Os países ratificaram o aumento de oferta de 432 mil barris por dia programado para maio, em linha com as expectativas.

Por volta de 12h, no horário de Brasília, o contrato para maio do petróleo tipo Brent caía 5,11%, negociado a US$ 107,65, o barril.

Já o contrato para o mesmo mês do petróleo tipo WTI cedia 5,26%, cotado a US$ 102,15, o barril.

Bolsas no exterior

As bolsas americanas operavam com baixas. Por volta de 12h05, em Brasília, o índice Dow Jones cedia 0,33% e o S&P, 0,13%. A Bolsa Nasdaq caía 0,15%.

Na Europa, as bolsas operavam com baixas. No mesmo horário, a Bolsa de Londres cedia 0,64% e a de Frankfurt, 0,98%. Em Paris, ocorria queda de 0,85%.

As bolsas asiáticas fecharam com baixas. O índice Nikkei, da Bolsa de Tóquio, cedeu 0,73%. Em Hong Kong, houve baixa de 1,06% e, na China, de 0,44%.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários