Carteira de trabalho
Jana Pêssoa/Setas
Carteira de trabalho

Com a disputa cada vez mais acirrada em um mercado de trabalho com poucas vagas de emprego disponíveis, é preciso redobrar os cuidados para não cometer erros e desperdiçar oportunidades de contratação. Uma pesquisa feita pelo Grupo Zety, de recolocação profissional, mostra que apenas 10% dos candidatos são chamados para entrevistas, e somente 2% dos que iniciam um processo seletivo são aprovados.

Os dados revelam ainda que apenas 36% dos concorrentes incluem uma seção de idiomas em seus currículos, e um entre quatro cita as certificações obtidas ao longo da carreira profissional. Foram analisados 670 mil perfis, criados no gerador de currículos da empresa. Além disso, o levantamento aponta que a maioria dos candidatos a emprego comete erros básicos (veja os principais abaixo).

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia

Apenas 20% dos entrevistados recebem uma oferta de trabalho. A porcentagem de sucesso varia de 2% a 3,4%, dependendo do estudo. Isso significa que o interessado precisará enviar entre 30 e 50 currículos para conseguir uma oportunidades.

"Infelizmente, há muitas pessoas desempregadas e poucas vagas de emprego. A consequência desta desproporção é que muitos se candidatam para poucas oportunidades, ocasionando um índice de rejeição alto", avalia Caio Sampaio, especialista em Carreiras da Zety Brasil: "Além disso, já que não há muitas vagas disponíveis, isso leva as pessoas a enviarem currículos para oportunidades fora da área de especialização delas, aumentando ainda mais o índice de rejeição", complementa ele.

De acordo com a pesquisa do Grupo Zety, a técnica de busca de emprego mais bem-sucedida é adaptar cada currículo aos requisitos do anúncio da vaga de trabalho. Além disso, mais de 60% dos recrutadores desejam receber currículos personalizados para a função. A maioria dos candidatos opta por escrever um único currículo genérico e anexá-lo a todos os formulários de emprego.

"Coloque em dia seu currículo e tenha ele adequado a cada vaga que vá buscar. É interessante que você faça alguns ajustes, pequenos que sejam, para atender uma determinada empresa. Veja o que está sendo solicitado na descrição da oportunidade e observe seu currículo para destacar essa qualificação. Não é para acrescentar o que não faz parte das suas qualificações, mas destacar aquilo que a vaga exige", ressalta a especialista em Gestão de Pessoas Maria Claudia Martins.

"Muitos candidatos focam os esforços na apresentação do currículo e deixam de lado algumas informações importantes, como as certificações e as habilidades em idiomas. Muitos por alegarem que não dominam algumas habilidades ou porque o curso foi feito há muito tempo. Geralmente, esse comportamento está associado ao medo de ser testado. Sobre as certificações, mesmo as possuindo, eles acham desnecessário mencioná-las para determinadas vagas e acabam perdendo oportunidades. Muitos currículos são selecionados por palavras-chave. Se não houver menção do que a vaga pede, ele nem é visto".

Destaque-se na multidão

Ao contrário do que muitos candidatos pensam, os recrutadores geralmente preferem currículos com duas páginas. Estatisticamente, os selecionadores têm 2,9 vezes mais chances de escolher um candidato com currículo de duas páginas para empregos de gerenciamento e 1,4 vezes mais chances de fazer o mesmo para oportunidades de nível básico. Os dados são da pesquisa da Zety Brasil.

Além disso, 77% dos empregadores acreditam que profissionais tarimbados parecem menos experientes ao utilizarem um currículo de uma página. Ou seja, um documento de duas páginas aumentará suas chances de conseguir uma entrevista. Isso é especialmente verdadeiro, se você tiver muita experiência. Os recrutadores preferem e, assim, você ficará à frente da concorrência.

Para Caio Sampaio, especialista em Carreiras na Zety Brasil, é preciso construir um currículo para se “destacar na multidão”, para ser notado. Para isso, o candidato deve ressaltar suas conquistas únicas:

"Além do objetivo profissional, uma boa forma de se destacar na multidão é focar nas suas conquistas na hora de descrever sua experiência profissional. Afinal, imagine preencher o currículo com informações de atividades que todos fazem. Isso não chama a atenção dos recrutadores. É preciso incluir diferenciais, resultados positivos obtidos em outros empregos, por exemplo", explica ele.

Mesmo assim, é preciso ter cuidado com a forma de mencionar essas conquistas, alerta Fernanda Centurion - gerente de Empregabilidade do Senac RJ

"Falta de objetividade para relatar sua experiência com textos extensos também é um ponto importante a ser evitado", destaca ela.

Escassez profissional

Se por um lado a disputa por vagas de emprego está muito competitiva, em algumas áreas e para determinados cargos, as empresas dizem que os candidatos sequer aparecerem. Um levantamento feito pela Korn Ferry, empresa global de consultoria organizacional, revela que 50% das empresas enfrentam escassez de candidatos atualmente, sendo que a maioria tem dificuldade na contratação e na retenção, principalmente, de profissionais da área de Tecnologia da Informação (TI). As oportunidades são abertas, mas as companhias não conseguem preenchê-las, e as causas são as mais variadas — desde falta de qualificação até salários ou condições de trabalho pouco atrativas.

Segundo o estudo, com a pandemia, boa parte das empresas tem adotado o home office ou o modelo híbrido de trabalho. Para determinados profissionais, essas condições podem ser mais atrativas e alcançar trabalhadores qualificados ainda que distantes fisicamente.

"A reinvenção está muito ligada às novas formas de trabalho, e isso está trazendo desafios para setores específicos, que tem maneiras de trabalhar muito tradicionais, que são mais voltados para a forma de interação física. Uma organização que é mais tradicional tem um raio de alcance para os talentos de alguns quilômetros do escritório. Já aquelas que estão abertas a interações remotas passam a ter um raio de alcance de talentos muito maior. Quando falamos de escassez, o grande desafio está relacionado à mão de obra digital, que são todas as funções que envolvem modelos de negócios ou produtos digitais, como arquitetos de soluções e desenvolvedores", ressaltou o diretor da Korn Ferry da América do Sul em Estratégias Organizacionais e de Talento, Fernando Guimarães.

Leia Também

Jogo dos 5 erros

1. Dados pessoais demais (ou de menos):

Algumas pessoas colocam dados pessoais demais, incluindo até número do passaporte e do RG. Já outros candidatos entregam currículos com informações de menos. Ambos os casos são ruins, pois passam a mensagem de que o candidato não sabe se comunicar de maneira eficaz. Você passa a ideia de que não sabe decidir o que é importante. No caso de informações de menos, talvez ela nem tenha seu contato para te chamar.

2. Currículo desorganizado

O currículo precisa ser legível. O recrutador é ocupado e, por isso, ele descarta currículos em menos de 10 segundos.

É bom evitar coisas como:

● Letra muito pequena (ou grande);

● Seções no documento sem uma clara divisão;

● Usar parágrafos ao invés de listas na hora de informar as suas responsabilidades em empregos anteriores.

3. Informações irrelevantes

Algumas pessoas pensam: “vou impressionar o recrutador com o tanto de coisa que eu já fiz”. E colocam um monte de experiências e cursos completamente irrelevantes para a vaga. Em uma vaga de analista, o candidato coloca que fez um curso de fazer bolo, por exemplo.

4. Currículo longo demais

Ter informações demais significa ter um currículo que é longo demais. Já vimos currículos com até 10 páginas. O recrutador recebe centenas de currículos por anúncio de emprego. Se o currículo for longo demais, provavelmente nem será lido. O currículo deve ter até 2 páginas.

5. Erros de português

Infelizmente, nem todo mundo teve a oportunidade de estudar, mas pessoas com grau de instrução alto estão cometendo erros de português no currículo. Estes erros variam, desde usar “mais” no lugar de “mas” até palavras escritas erradas. Erros como estes podem até serem motivos de eliminação.

O que pode aumentar as chances de um candidato?

1. Objetivo profissional

É importante comunicar qual o seu objetivo profissional. É aqui que muita gente erra. Muitas pessoas escrevem no currículo algo como:

“Objetivo profissional: trabalhar em equipe e me desenvolver profissionalmente.”

O problema é que essa é uma frase clichê que quase todo mundo usa. Considerando que o recrutador recebe centenas de currículos, você precisa se destacar.

2. Currículo personalizado

Fazer um currículo personalizado para a vaga é importante porque permite colocar no seu currículo exatamente as qualificações que a empresa pede, aumentando o grau de compatibilidade do seu currículo com a vaga. Além disso, os recrutadores percebem quando um currículo foi feito especificamente para a vaga e apreciam o fato de que você se deu o trabalho de fazer esta personalização. Consequentemente, o recrutador verá o seu documento mais favoravelmente. Afinal, pense no currículo como um anúncio que você usa para vender o seu serviço como profissional.

3. Use a inteligência artificial a seu favor

Atualmente os times de RH usam muito a inteligência artificial, esse é o primeiro filtro, e saber usar as palavras-chave para área de atuação que almeja e adequar seu currículo para cada posição pode fazer a diferença no funil de candidatos. Para localizar as palavras-chave basta realizar pesquisa no LinkedIn e Google.

4. Dados assertivos

O objetivo tem que ser direto e assertivo para vaga que está se candidatando. Ex: "Atuar como...". O resumo deve descrever suas competências e principais resultados. Demonstre sua experiência em tópicos de maneira assertiva e apontando conquistas. Deve conter palavras-chave no objetivo, resumo e experiência.

5. Mídias sociais

Muitos recrutadores fazem buscas nas redes sociais antes mesmo de entrar em contato com o candidato. É possível que vagas sejam perdidas sem que você saiba apenas por manter redes sociais com conteúdo considerado ‘’inadequado’’. Postagens podem prejudicar seu processo de seleção.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários