Sob protestos de parlamentares de oposição, Câmara aprova mudança do ICMS de combustíveis
Antônio Augusto/Câmara dos Deputados
Sob protestos de parlamentares de oposição, Câmara aprova mudança do ICMS de combustíveis

A Câmara dos Deputados aprovou nesta quinta-feira (11) o projeto de lei que altera a tributação do ICMS dos estados. O texto foi aprovado pelo Senado a tarde e segue para sanção do presidente Jair Bolsonaro (PL).

A proposta prevê uma alíquota fixa de ICMS a ser praticada por estados. A medida visa reduzir os preços dos combustíveis nas bombas em meio à pressão em cima do preço do barril de petróleo no mercado internacional provocado pela guerra entre Rússia e Ucrânia. Durante a semana, o barril Brend atingiu US$ 130.

Nesta quinta, a Petrobras anunciou mais um reajuste no preço dos combustíveis. A gasolina será reajustada em 18%, enquanto o diesel terá seu valor ajustado em 24%.

A alíquota será definida em acordo com os estados, sendo que o imposto não poderá ser reajustado em 12 meses. Após esse prazo, o índice poderá ser alterado a cada seis meses. Para reduções, no entanto, há liberação para ser feita a qualquer momento.

Leia Também

Quer ficar bem informado sobre tudo que acontece na economia do Brasil e do Mundo? Acompanhe o   canal do Brasil Econômico no Telegram

O projeto não obriga os estados a seguirem a monofasia, mas determina uma fixação de alíquota pelos próximos 12 meses no diesel. O índice não poderá ultrapassar a média praticada nos últimos dois anos.

Governadores se pronunciaram contra a proposta, pois acreditam que haverá forte queda na arrecadação. O Comitê Nacional de Secretários da Fazenda (Comsefaz) ainda estuda a possibilidade de recorrer ao Supremo Tribunal Federal (STF) para barrar a proposta aprovada pelo Congresso.

A aprovação do texto é vista como vitória de Bolsonaro, que culpa o imposto pelo aumento no preço dos combustíveis. Estados rebateram congelando o ICMS, mas os reajustes nas bombas continuaram frequentes.

** João Vitor Revedilho é jornalista, com especialidade em política e economia. Trabalhou na TV Clube, afiliada da Rede Bandeirantes em Ribeirão Preto (SP), e na CBN Ribeirão. Se formou em cursos ligado à Rádio e TV, Políticas Públicas e Jornalismo Investigativo.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários