McDonald's fecha temporariamente restaurantes na Rússia
Reprodução: ACidade ON
McDonald's fecha temporariamente restaurantes na Rússia

O McDonad’s anunciou nesta terça-feira (8) que está suspendendo suas operações na Rússia. Com isso, todas as lojas no país serão fechadas como resposta a invasão do regime de Vladmir Putin à Ucrânia. A empresa afirma que continuará pagando o salário dos 62 mil funcionários enquanto as lojas estão fechadas.

A suspensão das atividades afetará os 850 restaurantes espalhados pelo território russo. "Os nossos valores não nos permitem ignorar o sofrimento humano que se vive na Ucrânia”, justificou Chris Kempckinski, CEO do McDonald’s.

Após mais de 30 anos operando, a rede de restaurantes vinha enfrentando muitas pressões de consumidores sobre um posicionamento do conflito na Rússia. "O McDonald's decidiu fechar temporariamente todos os nossos restaurantes na Rússia e pausar todas as operações no mercado. Entendemos o impacto que isso terá em nossos colegas e parceiros russos", diz um trecho do comunicado.

Sem previsão para reabrir por conta da invasão de tropas russas na Ucrânia, a empresa relata a quebra na cadeia de suprimentos juntamente com outros impactos operacionais.

"À medida que avançamos, o McDonald's continuará a avaliar a situação e determinar se são necessárias medidas adicionais. Neste momento, é impossível prever quando poderemos reabrir nossos restaurantes na Rússia. Estamos passando por interrupções em nossa cadeia de suprimentos, juntamente com outros impactos operacionais. Também acompanharemos de perto a situação humanitária".

Em comunicado, a Coca-Cola Co. disse que está suspendendo os negócios na Rússia após a invasão da Ucrânia pela nação. "Nossos corações estão com as pessoas que estão resistindo a efeitos inconcebíveis desses trágicos eventos na Ucrânia", declarou a empresa no texto, que acrescentou que continuará a monitorar e avaliar a situação à medida que as circunstâncias evoluam.

Já a Starbucks, além de fechar suas lojas no país, também não enviará mais produtos administrados por licenciados. De acordo com a companhia de cafés, o Alshaya Group, com sede no Kuwait, que opera pelo menos 100 Starbucks na Rússia, "fornecerá apoio aos quase 2.000 parceiros na Rússia que dependem da Starbucks para sua subsistência".

Leia Também

Outras grandes empresas de consumo britânicas, incluindo as varejistas de moda on-line ASOS  e Boohoo, e a varejista de alimentos e roupas Marks & Spencer também evitaram a Rússia ou reduziram a exposição ao país.

A PepsiCo, um dos poucos produtos ocidentais permitidos na União Soviética antes de seu colapso, está avaliando opções para seus negócios na Rússia, conforme informou o Wall Street Journal nesta terça-feira.

No entanto, a empresa está relutante em fechar sua unidade russa devido à produção de produtos essenciais diários, como leite e fórmula infantil, de acordo com o relatório do WSJ.

Leia Também

L'Oreal e Uniliver também deixam Rússia

Também nesta terça-feira, a gigante de cosméticos L'Oreal anunciou que fechará temporariamente suas unidades, próprias ou dentro de lojas de departamentos, assim como seus sites para comércio na Rússia.

"Condenamos veementemente a invasão russa e a guerra na Ucrânia, que está causando tanto sofrimento ao povo ucraniano", disse a empresa francesa em comunicado.

A maior empresa de cosméticos do mundo também disse que suspenderia todos os investimentos de mídia industrial e nacional na Rússia e considera tomar medidas adicionais referente aos seus 2.200 funcionários no país.

Na Ucrânia, a L'Oreal tem 326 funcionários. A maioria permanece no país em "condições cada vez mais insuportáveis", segundo relataram.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários