ONU: Coreia do Norte roubou criptomoedas para financiar programas de mísseis nucleares
Lorena Amaro
ONU: Coreia do Norte roubou criptomoedas para financiar programas de mísseis nucleares

A Organização das Nações Unidas (ONU) afirmou em um relatório recente que a Coreia do Norte organizou ataques cibernéticos a exchanges, roubando milhões de dólares em criptomoedas. Tudo isso para financiar seus programas de mísseis.

De acordo com os investigadores, entre 2020 e meados de 2021, os ciberataques roubaram mais de US$ 50 milhões em criptoativos.

Esses ataques, segundo eles, são uma “importante fonte de receita” para o programa nuclear e de mísseis balísticos de Pyongyang. As descobertas foram entregues ao comitê de sanções da ONU na última sexta-feira.

Coreia do Norte roubou milhões em criptomoedas

Ainda segundo o documento ao qual a Reuters teve acesso, os referidos ataques cibernéticos atingiram pelo menos três exchanges de criptomoedas na América do Norte, Europa e Ásia.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia.

“Embora nenhum teste nuclear ou lançamento de ICBMs (mísseis balísticos intercontinentais) tenha sido relatado, a RPDC [República Popular Democrática da Coreia] continuou a desenvolver sua capacidade de produção de materiais físseis nucleares”, escreveram os especialistas.

O relatório também fez referência a um estudo publicado no mês passado pela empresa de segurança Chainalysis.

Leia Também

Conforme noticiou o CriptoFácil, a empresa sugeriu que os ataques norte-coreanos arrecadaram US$ 400 milhões em criptomoedas em 2021. Foram pelo menos sete ataques a plataformas de criptomoedas no ano passado.

Em 2019, a ONU informou que o país acumulou US$ 2 bilhões para programas de armas de destruição em massa. Da mesma forma, o montante seria oriundo de ataques cibernéticos sofisticados.

Testes nucleares

Há tempos a Coreia do Norte foi proibida pela ONU de realizar testes nucleares e lançar mísseis balísticos.

No entanto, apesar das sanções, a nação continuou a desenvolver sua infraestrutura nuclear e de mísseis balísticos.

Leia Também

Além disso, buscou material, tecnologia e know-how no exterior, inclusive por meios cibernéticos e pesquisas científicas conjuntas.

Segundo os monitores das sanções, houve uma “aceleração acentuada” dos testes de mísseis por Pyongyang.

Na última sexta-feira (4), os EIA disseram que o país realizou nove testes de mísseis somente no mês passado.

“A RPDC demonstrou maior capacidade de implantação rápida, ampla mobilidade (inclusive no mar) e maior resiliência de suas forças de mísseis”, disseram os monitores das sanções.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários