Presidente Jair Bolsonaro
Alan Santos/PR
Presidente Jair Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro participou nesta quarta-feira (2) de uma cerimônia no Planalto que alterou a maneira como a prova de vida do INSS (Instituto Nacional de Seguridade Social) é feita . No seu discurso, criticou as gestões anteriores e disse que sua popularidade não é afetada pelo preço dos combustíveis. 

"A gasolina a R$ 7, o diesel a R$ 5, inflação dos gêneros alimentícios e o povo nos trata bem. Ninguém consegue imaginar isso", afirmou, fazendo referência à sua viagem ao interior de São Paulo, também nesta semana, quando sobrevoou áreas afetadas pelas fortes chuvas. Segundo ele, a região sempre foi "um reduto vermelho" e mesmo assim o acolheu. 

Bolsonaro também informou que pediu ao seu corpo de ministros um "levantamento do passado" para desgastar a imagem do PT (Partido dos Trabalhadores), cujo possível rival nas eleições deste ano, o ex-presidente Lula, lidera as pesquisas de intenção de voto. 

"Já pedi aos ministros, pedi aos secretários que me abasteçam com essas informações, do que aconteceu com o Brasil entre 2003 e 2016”. “Eu quero toda semana mostrar uma coisa", disse.

A intenção é apelar para a corrupção na Petrobras, alvo da operação Lava Jato. Bolsonaro resgatou o tema para justificar a alta no preço dos combustíveis. 

Leia Também

"Esta semana estive em Itaboraí com o presidente da Petrobras e seus diretores. Eu havia feito um pedido e o presidente me atendeu. Dois gerentes usaram da palavra e foi explanado como foi a Petrobrás administrada de 2003 a 2016. Endividamento de R$ 900 bilhões de reais que vocês que botam combustível no carro pagam".

O presidente também criticou aqueles que defendem a volta dos antigos mandatários.

"Quando se fala em desvios trilionários, tem gente que acha que quem desviou tem que voltar. E se falam em voltar é para desviar o dobro disso, porque gostaram".

Após desistir da criação de uma PEC (Proposta de Emenda à Constituição) para reduzir o preço dos combustíveis , Bolsonaro quer delegar o Congresso a responsabilidade pelo aumento.

"Peço ajuda aos parlamentares para que me deem os poderes para que possamos zerar o imposto do diesel e busca uma solução".

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários