Paulo Guedes, ministro da Economia
Washington Costa/ASCOM ME
Paulo Guedes, ministro da Economia

O decreto do presidente Jair Bolsonaro publicado nesta quinta-feira (13) que dá mais poder à Casa Civil na execução do Orçamento  foi bem recebido pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, que teria relatado a assessores "menor pressão" sobre sua pasta após a decisão, informa a revista Veja. 

O texto foi elaborado pelos dois ministros por meses. Guedes entende que passando a responsabilidade da chave do cofre para Ciro Nogueira reduzirá o empoçamento de recursos de 50 bilhões de reais para cerca de 20 bilhões de reais, segundo suas contas.

“Cortes e prioridades fora da Casa Civil produzem desgaste e disfuncionalidades, como empoçamentos de recursos”, defendeu ele a um assessor, segundo a revista. “Sobram recursos em alguns ministérios enquanto faltam em outros”.

Guedes também estaria insatisfeito com o desgaste político que sempre cai sobre ele ao não permitir "gastanças" como querem os parlamentares. 

Leia Também

Para Guedes, a repercussão do tema é exagerada, já que a Casa Civil já fazia parte da Junta de Execução Orçamentária. O texto determina que a Casa Civil terá que dar aval para algumas ações de abertura ou remanejamento de despesas.



    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários