Dono da ITA, Sidnei Paiva, em entrevista ao programa do Roberto Cabrini
Divulgação
Dono da ITA, Sidnei Paiva, em entrevista ao programa do Roberto Cabrini

Após o cancelamento dos voos que deixaram mais de 130 mil passageiros sem saber o que fazer, o dono da Itapemirim, Sidnei Piva, diz que não teme ser preso que está sendo "vítima de um complô". O empresário afirmou também que pretende retomar as decolagens pela companhia no dia 17 de fevereiro. 

O empresário fala sobre as denúncias contra ele ao jornalista Roberto Cabrini. O programa também relata o drama dos milhares de passageiros que ficaram sem embarcar às vésperas do Natal.

Questionado por Cabrini se teme ser preso, Piva responde: “Não, de maneira alguma”. E ainda afirma que se sente também prejudicado. “Me sinto vítima de um complô de um ataque. Estão tentando destruir a companhia por outros meios. E não pela competência. Porque pela competência, nós somos os melhores", completa.

Procon aplicará multa milionária

O Procon de São Paulo divulgou uma nota nesta quarta-feira (22) que classifica a justificativa da Itapemirim por  suspender os voos no dia 17/12  como "insatisfatória" e confirmou que vai multar a companhia aérea . As providências para os consumidores afetados também não atendeu às expectativas da entidade.

O órgão de defesa do consumidor exigiu a realocação em outros voos ou o reembolso imediato aos clientes afetados pela empresa, que também poderá ser multada em até R$ 11 milhões.

Ao órgão a empresa disse que pretende voltar a operar no dia 17 de fevereiro de 2022. Hoje, em entrevista ao Estadão o presidente ITA, Sidnei Paiva, falou que esperar voltar a operar "em breve". Segundo ele, foi só uma suspensão e não cancelamento das atividades. 

Ao todo foram 133 mil passageiros afetados pela paralisação das atividades, provocando filas e protestos nos aeroportos ao longo da semana. O Procon do Rio de Janeiro também está investigando a situação,  assim como a Anac (Agência Nacional de Aviação Civil).

Leia Também

O Procon SP também vai apurar a informação de que foi retirado por volta de R$ 70 milhões do processo de recuperação judicial do grupo Itapemirim, que seria destinado ao pagamento dos credores, para a abertura da empresa Ita.

Acusado de aplicar golpe com criptomoedas

Na última semana, a empresa aérea Itapemirim esteve envolvida em uma série de polêmicas depois que anunciou a “suspensão temporária” de todas as operações.

Entre outras coisas, há atrasos de salários a funcionários, dívidas com fornecedores, e cancelamentos de voos. Mas ainda há uma nova acusação contra o dono da empresa, Sidnei Piva de Jesus.

De acordo com segundo o portal Congresso em Foco, denúncias feitas por investidores ao Ministério Público Federal (MPF), afirmam que P iva está envolvido em transações suspeitas envolvendo criptomoedas.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários