Gás encanado
Reprodução: ACidade ON
Gás encanado

Os preços do gás canalizado usado por residências, indústrias e o vendido nos postos para abastecer carros no Rio de Janeiro podem sofrer um aumento de 50% no preço a partir do próximo mês, de acordo com fontes do setor.

A informação foi antecipada pelo colunista Ancelmo Gois no último sábado.

Embora não confirme oficialmente o percentual, a Naturgy (antiga Ceg) disse que a partir do próximo mês vai incidir o reajuste no custo de aquisição do gás (molécula e transporte) comprado da Petrobras.

O reajuste da Naturgy poderá vi acompanhado de aumentos por outras empresas. Em chamadas públicas para negociar contratos de longo prazo, com vigência de quatro anos, a Petrobras estipulou este reajuste de 50% a vigorar a partir de 1º de janeiro de 2022, segundo a Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Gás Canalizado (Abegás).

E ocorre depois de um forte aumento no preço do gás canalizado e do GNV este ano devido aos reajustes trimestrais praticados pela Petrobras em seus contratos de curto prazo. Até novembro, o gás canalizado residencial subiu 20,59% e o gás veicular, 37,78%, bem acima da inflação média deste ano, que foi de 9,26% no período.


De acordo com a Abegás, a Petrobras chegou a propor reajuste de 100%, mas depois reduziu esse percentual para 50%. A associação já ingressou no Cade, órgão que regula a concorrência no país, com pedido de medida cautelar para a manutenção do contrato de fornecimento atual, pelo período de um ano.

Segundo a Naturgy, o aumento a partir de janeiro "trata-se de um reajuste por parte da Petrobras em razão da alta dos preços de gás internacionais e da variação do Brent e do dólar". A concessionária disse que os custos não são gerenciáveis pela Naturgy e, portanto, "o aumento do preço não traz nenhum ganho para a distribuidora".

Leia Também

"Em razão da urgência e extrema relevância do tema para o Brasil e o Estado do Rio de Janeiro, a empresa também está atuando, assim como diversas entidades nacionais e fluminenses, para que o Cade paute e julgue o processo o mais breve possível, visando equacionar o tema", disse a Naturgy em nota.

No processo no Cade, a Abegás pede que os preços sejam mantidos até que sejam equacionadas pela Agência Nacional do Petróleo questões de infraestrutura e de acesso ao transporte que possibilitem maior oferta às distribuidoras.

Hoje, na prática, a Petrobras é a única empresa a oferecer o gás natural. O ministro da Economia Paulo Guedes prometeu que país teria um "choque de energia barata" com a venda de ativos da Petrobras e o aumento da concorrência no setor, mas a transferência de parte da malha de transporte de gás da estatal para outras empresas ainda não resultou num volume razoável de oferta de gás pelas concorrentes. 

A Naturgy informou que fez uma chamada pública para a contratação de gás. A compra do suprimento visava atender ao mercado cativo das distribuidoras, a partir de janeiro de 2022. A oferta pública, disse a empresa, não teve outras ofertas a preços e condições técnicas viáveis, tendo sido a Petrobras a única empresa com condições de garantia de entrega.

A Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan) defende que sejam mantidos os contratos vigentes por seis meses , renováveis por mais 6 meses, de forma a não gerar impactos opara empresas e consumidores e "visando garantir que o novo mercado de gás esteja de fato capaz de atender, de modo isonômico, todos os estados".

A Federação das Indústrias encaminhou cartas a todas as autoridades envolvidas alertando para os prejuízos, colocando em risco empregos, além de  desestimular o consumo e a expansão do uso do gás natural no estado do Rio.

" Independente da solução que deve ser encontrada conjuntamente, os consumidores não podem ser reféns de um aumento que inviabiliza a continuidade de negócios e impacta toda a sociedade". 

A Agenersa, que regula o setor no Rio, disse que processo ainda está sendo analisado só pode se pronunciar no dia do julgamento.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários