Janguiê Diniz, fundador e presidente do Conselho de Administração do grupo Ser Educacional, é um dos investidores da Bolsa OTC
Divulgação
Janguiê Diniz, fundador e presidente do Conselho de Administração do grupo Ser Educacional, é um dos investidores da Bolsa OTC

O Banco Central aprovou a criação da Bolsa OTC Brasil, plataforma que deverá deverá atuar como intermediadora de compra e venda de ativos. O anúncio foi feito nesta sexta-feira (26), após reunião do Comitê Estratégico de Gestão do Sandbox Regulatório (Cesb). 

A Bolsa OTC Brasil é uma plataforma eletrônica que permitirá a empresas previamente listadas e qualificadas, fazer emissão de títulos de dívida de uma forma segura e desburocratizada, conectando agentes do mercado em sua originação, distribuição, negociação e liquidação. A Bolsa OTC Brasil atuará, assim, como registradora e liquidante de transações de compra e venda de ativos tokenizados. Para isso, utilizará o Corda Enterprise da R3, a maior plataforma tecnológica de blockchain do mundo para mercados regulados, assegurando integridade e conformidade regulatória a todos participantes.

Dos 52 projetos inicialmente inscritos, após nove meses de avaliação, somente 7 foram selecionados. Um dos fatores críticos de sucesso foi o alto nível de inovação do projeto Bolsa OTC Brasil, alinhado com a estratégia da agenda BC# de favorecer a descentralização para o aumento da oferta de crédito, o que fomenta o desenvolvimento econômico.

Concebida inicialmente por Celso Jung, a ideia da Bolsa OTC Brasil nasceu dentro da iniciativa LIFT (Laboratório de Inovações Financeiras e Tecnológicas), coordenada pela Fenasbac (Federação dos Servidores do Banco Central) com suporte do próprio BC. Foi estruturada com alguns executivos egressos da Bolsa, como Paulo Oliveira, ex-diretor Executivo da BM&FBovespa e seu atual presidente.

Projetando o grande mercado que essa solução viabiliza, entraram no projeto outros executivos e empreendedores investidores estratégicos como Janguiê Diniz, fundador do grupo Ser Educacional, conhecido por seus investimentos em inovação e tecnologia, e que acaba de criar um banco digital o B- Uni. A sua participação esta sendo realizada por meio do seu Family Office o Epitychia que significa sucesso em grego. A Pitang – empresa especializada em transformação digital, a BBChain – empresa referência em desenvolvimento de soluções blockchain e o Grupo Emepar – que participa na Bolsa OTC Brasil através de sua holding financeira BASE 3.

A seleção da Bolsa OTC Brasil pelo Comitê do Sandbox Regulatório reconhece os grandes benefícios advindos da democratização do acesso ao crédito no país. A partir desta autorização, inicia-se o processo de capacitação operacional da nova plataforma, que deve se completar durante o 1º semestre de 2022.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários