Paulo Guedes, ministro da Economia
Washington Costa/ASCOM ME
Paulo Guedes, ministro da Economia

A agenda de reformas do ministro da Economia, Paulo Guedes, tem ficado de escanteio por parte do governo que já trabalha com a possibilidade de não ver propostas aprovadas neste ano por falta de empenho do presidente Jair Bolsonaro. 

Tanto a reforma administrativa quanto a tributária são vistas como fundamentais para melhorar a situação fiscal do país e ampliar investimentos. Segundo a Folha de Sâo Paulo, os líderes do Congresso Nacional já falam em perda da "janela de aprovação". 

O vice-presidente da Câmara, deputado Marcelo Ramos, do Partido Liberal, do qual o presidente Jair Bolsonaro está em tratativas para se filiar, afirmou à revista Veja que a  chance da reforma administrativa proposta pelo governo passar no Legislativo é zero, pois "nem o presidente quer".

"A PEC dos Precatórios já foi na marra e a chance é zero de votar a administrativa”, afirma ele. “Se botar para votar, perde. Não existe agenda de reformas”, critica.

Leia Também

Bolsonaro já admitiu que se não forem aprovadas até dezembro, não avançam em 2022. Parte da dificuldade se daria pelo clima eleitoral que tomará conta do país e principalmente de Brasília. 

"Essas reformas têm que acontecer no primeiro ano de cada governo. Já estamos praticamente terminando o terceiro ano [de governo]. Se não aprovar neste ano, no ano que vem pode esquecer", disse o presidente no fim de outubro.

Por enquanto, as atenções do Ministério da Economia estão voltadas para a elaboração da peça orçamentária de 2022, enquanto avança a PEC dos Precatórios no Congresso.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários