Trabalho infantil é maior em SP
OIT
Trabalho infantil é maior em SP

Estado e cidade de São Paulo lideram casos de trabalho infantil no Brasil na última década. Os dados são do Smartlab, plataforma de estatísticas do Ministério Público do Trabalho (MPT) em parceria com a Organização Internacional do Trabalho (OIT), e foram divulgados pelo R7 nesta terça-feira (12).

No período, o estado de São Paulo registrou 16.886 notificações ao Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan), número que representa 32% do total no Brasil. Quando o assunto são os acidentes de trabalho com crianças e adolescentes, o ente federativo teve 8.410 registros, 48% do total brasileiro.

Dentre os municípios, a cidade de São Paulo também fica no topo. Foram 3.875 notificações de trabalho infantil e 1.525 de acidentes.

No caso do trabalho infantil, a lista continua com Franca, que teve 920 casos, São José do Rio Preto, com 877, Goiânia, com 731 e Rio Claro, com 581. Com excessão da capital de Goiás, todos os outros municípios líderes ficam no estado de São Paulo.

Bernardo Leoncio Moura Coelho, representante de São Paulo na Coordinfância (Coordenadoria Nacional de Combate ao Trabalho Infantil) do MPT, explica ao R7 que a predominância de São Paulo pode ser consequência da subnotificação nas demais regiões.

"Nas cidades paulistas existe uma organização da rede de proteção maior que nos outros estados. Esses casos são trazidos a conhecimento, não ficam no limbo. Muitas prefeituras não querem admitir trabalho infantil, por exemplo, cidades turísticas que não desejam divulgar que há crianças na rua", afirma.

"Pela vivência que temos da cidade, o trabalho infantil aumentou. Mas como não tivemos o Censo em 2020 e nem esse ano, que são os dados mais completos que temos, ficamos com esses dados oficiais. Um exemplo é a discrepância de dados que existem entre São Paulo e Rio: lá, os registros de acidentes são 10% do que temos aqui. Não é crível, mas é o que temos de dados. A subnotificação acontece muito, ainda mais agora em período de pandemia", continua.

Leia Também

Para a OIT, a pandemia pode ter agravado o trabalho infantil ao aumentar a pobreza e fechar as escolas.

"A crise da Covid-19 trouxe consigo uma situação de maior pobreza para as pessoas que já se encontravam em situação de vulnerabilidade, podendo reverter anos de avanço no combate ao trabalho infantil. O fechamento de escolas agravou a situação e milhões de crianças trabalham para contribuir com a renda familiar", diz a OIT.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários