Tesla, de Elon Musk, precisa pagar R$ 747 milhões a ex-empregado por racismo
Cristhian Raphael
Tesla, de Elon Musk, precisa pagar R$ 747 milhões a ex-empregado por racismo

A montadora de carros elétricos Telas, do bilionário Elon Musk, precisará pagar US$ 137 milhões (R$ 747 milhões) para um funcionário que alegou tratamento desigual por ser negro. Um juiz de São Francisco, na Califórnia, proferiu decisão favorável a Owen Diaz, ex-empregado da multinacional, informa a agência Bloomberg. 

Seu advogado, Lawrence Organ, do California Civil Rights Law Group, disse em uma entrevista na noite de segunda-feira: “É ótimo quando uma das corporações mais ricas da América precisa ter um cálculo das condições abomináveis ​​em sua fábrica para os negros”.

“Demorou quatro longos anos para chegar a este ponto”, disse ele. “É como se um grande peso tivesse sido tirado dos meus ombros”, completou o advogado.

Segundo Owen Diaz, que era operador de elevador na fábrica da Tesla em Fremont, Califórnia, em 2016, um supervisor e outros colegas se referiam a ele repetidamente com injúrias raciais. 

Leia Também

Ele também disse que os funcionários desenharam suásticas e rabiscaram um epíteto racial em um banheiro e deixaram desenhos de caricaturas depreciativas de crianças negras pela fábrica. Apesar das repetidas reclamações, a empresa pouco fez para lidar com o comportamento.

“Não é como se eles estivessem removendo o comportamento ofensivo, eles apenas deixariam as pessoas continuarem adicionando e adicionando”, disse Diaz ao New York Times.

Uma gerente de recursos humanos da empresa participou do julgamento para defender a Tesla. Ela alegou que as ofensas eram proferidas "de forma amigável".

Segundo o NY Times, fão ficou claro se Tesla planeja apelar da decisão.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários