Wallace Landim, Chorão, líder caminhoneiro
Reprodução/Facebook
Wallace Landim, Chorão, líder caminhoneiro

Em meio ao aumento no valor do diesel nas refinarias, o presidente da Associação Brasileira de Condutores de Veículos Automotores (Abrava), Wallace Landim, acusou o presidente Jair Bolsonaro de fazer 'chacota' com as demandas de caminhoneiros. Chorão, como é conhecido, disse ainda que Bolsonaro transfere responsabilidade do reajuste de combustíveis aos governadores.

Landim foi líder da greve dos caminhoneiros em 2018 e voltou a cogitar uma nova greve da categoria nos próximos meses. Chorão ressaltou que haverá uma reunião no dia 16 de outubro para definir os rumos da paralisação.

"Nós estamos analisando. Uma paralisação não está descartada. Já estamos no limite. A gente tem um presidente que faz chacota, que diz que não é mágico, que não tem o que ver, que a culpa é dos governadores. É, claramente, uma transferência de responsabilidade, que pode ser muito prejudicial", disse o presidente da Abrava, em entrevista à Veja.

"O presidente da Câmara, Arthur Lira, é quem está tomando a iniciativa de discutir com líderes de partidos para reduzir o preço do combustível. Essa é a atitude que nós esperávamos do presidente da República, que é o nosso líder, o chefe da nação. O presidente precisa parar de fazer campanha para 2022 e chamar a responsabilidade para si", concluiu, se referindo ao projeto que fixa uma alíquota do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS). A proposta pode ser votada nesta quarta-feira na Câmara dos Deputados.

Landim foi um dos criticaram o reajuste do diesel anunciado pela Petrobras nesta semana. O valor do combustível aumentou 8,9% e passou a custar R$ 3,06 nas refinarias.

A medida revoltou a categoria que promete novas mobilizações contra os aumentos sucessivos da Petrobras. A Abrava, junto com outras duas entidades que representam os caminhoneiros, ainda solicitou a abertura de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar os reajustes da Petrobras. O pedido ainda deve ser analisado pelo Congresso Nacional.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários