Presidente da gigante imobiliária chinesa emitiu um comunicado às vésperas de ter que cumprir o pagamento de juros sobre um título offshore de US$ 2 bilhões
Fernanda Capelli
Presidente da gigante imobiliária chinesa emitiu um comunicado às vésperas de ter que cumprir o pagamento de juros sobre um título offshore de US$ 2 bilhões

Enquanto cresce a incerteza sobre o pagamento que a Evergrande se comprometeu a cumprir, nesta quinta-feira, para quitar juros devidos por um título em dólar, o presidente do grupo chinês, Hui Ka Yan, divulgou um comunicado afirmando que a prioridade da gigante imobiliária chinesa é ajudar os investidores de varejo a resgatar seus produtos de investimento.

A declaração de Yan veio depois de ter afirmado, na quarta-feira, que havia "resolvido" o pagamento de um título onshore, empurrando o preço das ações da empresa para seu maior aumento percentual em um único dia, desde sua listagem em 2009. 

Os investidores globais têm estado em suspense nas últimas semanas, já que as obrigações de pagamento da dívida da Evergrande, de US$ 305 bilhões, geraram temores de que seu mal-estar poderia representar riscos sistêmicos para o sistema financeiro da China.

A empresa deve US$ 83,5 milhões em pagamentos de juros de títulos em dólar, com vencimento nesta quinta-feira, sobre um título offshore de US$ 2 bilhões. E mais pagamentos devem ser feitos na próxima semana, de juros de bônus de US$ 47,5 milhões a vencer.

Sem mencionar a dívida offshore, o presidente do conselho instou seus executivos a garantirem a entrega de propriedades de qualidade e o resgate de produtos de gestão de fortunas detidos por milhões de investidores, principalmente de varejo.

Há uma pressão política crescente sobre a empresa para agir como compradores de imóveis, e os investidores de varejo ficam cada vez mais irritados por terem investido suas economias em propriedades e produtos opacos de gestão de patrimônio.

Ações valorizadas

"Supondo que essa situação vá para o caminho de uma reestruturação da dívida, achamos que a natureza do investidor de varejo dos produtos de gestão de fortunas seria priorizada para a estabilidade social", disse Ezien Hoo, analista de crédito do Banco OCBC.

Os investidores estrangeiros, que possuem papéis emitidos por entidades offshore, podem achar mais difícil receber o pagamento, pois têm "menor poder de barganha, em comparação com outros credores mais próximos dos ativos", disse ele.

As ações da Evergrande subiram 32% nesta quinta-feira, com as negociações retomadas após um feriado, embora os ganhos tenham sido reduzidos e meses de grandes perdas ainda deixem as ações com queda de mais de 80% no ano, até agora. A unidade de serviços imobiliários de Evergrande também subiu.

A sensação de alívio se espalhou para as ações de propriedades do continente listadas em Hong Kong, com Country Garden, a maior incorporadora da China, com alta de até 14%. Sunac China aumentou 16% e Guangzhou R&F Properties aumentou 26%.

A Evergrande, que simbolizou o modelo de negócios de empréstimo para construção e já foi o desenvolvedor mais vendido da China, teve problemas nos últimos meses, enquanto Pequim tornava mais rígidas as regras do setor imobiliário, na tentativa de conter dívidas e especulações em excesso.

Os investidores temem que a podridão possa se espalhar para os credores, incluindo bancos na China e no exterior, embora os analistas tenham minimizado o risco de que um colapso resulte em um "momento Lehman", ou uma crise de liquidez sistêmica.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários