Jair Bolsonaro aposta em reformulação do Bolsa Família para angariar votos em 2022
Divulgação/Palácio do Planalto/Alan Santos
Jair Bolsonaro aposta em reformulação do Bolsa Família para angariar votos em 2022

O presidente Jair Bolsonaro decidiu que o novo Bolsa Família deve se chamar "Auxílio Brasil", segundo fontes do governo federal. A ideia é remeter à continuidade do auxílio emergencial, embora a reestruturação do programa deva atender menos famílias.

A estratégia do nome, definido nos últimos dias, é mostrar que o auxílio emergencial foi uma marca do governo Bolsonaro na área social e será tornado "permanente". O auxílio, que hoje tem valor médio de R$ 250 e atende 45,6 milhões de beneficiários, será pago até outubro deste ano. O Bolsa Família atende cerca de 14,6 milhões de famílias.

A Medida Provisória que cria o programa deve ser assinada pelo presidente até o fim dessa semana. A reestruturação elaborada pelo Ministério da Cidadania inclui outros programas sociais no futuro "Auxílio Brasil", como uma bolsa creche e um benefício voltado especificamente para produtores rurais.

O valor médio do novo benefício ainda não está definido porque depende do espaço fiscal previsto no Orçamento de 2022, objeto de estudos da equipe econômica. O presidente defende que o valor médio seja de R$ 300. Auxiliares da ala política do Palácio do Planalto pressionam por um valor ainda maior, porém.

Você viu?

Após identificar que derrotas judiciais podem consumir boa parte dos recursos previstos para custear a nova versão do Bolsa Família, o governo finalizou uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) para abrir espaço no Orçamento e permitir o pagamento do benefício no próximo ano, marcado pelas eleições presidenciais.

O texto prevê que as despesas com sentenças da Justiça poderão ser pagas com uma fração do valor em 2022 e mais nove parcelas anuais. As mudanças previstas na PEC criam uma margem de cerca de R$ 40 bilhões no Orçamento de 2022.

Os técnicos do Ministério da Economia avaliam que, com o colchão de recursos criado pela PEC, será possível propor um programa social com pagamento médio de R$ 300 para 17 milhões de pessoas. Atualmente, o pagamento médio do Bolsa Família é de R$ 192 para 14 milhões de beneficiários.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários