wizard
Divulgação
Carlos Wizard

O ex-ministro da Saúde, Eduardo Pazuello , foi perguntando pelo relator da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid-19 , Renan Calheiros , nesta quarta-feira, 19, sobre a atuação " paralela " do empresário Carlos Wizard no ministério da Saúde. 

Sobre o aconselhamento relacionado à assuntos da pandemia, o ex-ministro afirmou que o " amigo " Wizard foi escolhido por ele para ser um "link" entre a Saúde e o público. O empresário chegou a ser indicado para atuar na secretaria de Ciência e Tecnologia da pasta, mas recusou.

"Ele passou um mês nos ajudando, mas na análise da indicação, ele desistiu. Porque tinha que ter outras ações nos conselhos de empresas. Não poderia ser aceito, e se desvinculou da tarefa, vamos dizer assim", disse Pazuello à CPI.

"Wizard chegou a organizar uma reunião com um conselho de médicos, mas eu não gostei do formato. A reunião durou quinze minutos e aconteceu apenas uma vez", completou.

Você viu?

Sobre a indicação da cloroquina , o ex-ministro confirmou que o empresário não teve relação com a prescrição do medicamento. 

Pazuello disse que conheceu Wizard na operação "Acolhida", deflagrada pelo Exército Brasileiro desde fevereiro de 2018, visando proteger os venezuelanos que atravessam a fronteira. 

Carlos "Wizard" Martins é empreendedor, empresário, executivo e escritor. Carlos é o fundador da Wizard, maior rede de ensino de idiomas do Brasil, vendida para a britânica Pearson por 2 bilhões de reais, no maior deal da história do setor de educação já realizado no Brasil.



    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários