Restaurantes seguem com limitação de capacidade, mas têm horário ampliado em São Paulo
Pixabay
Restaurantes seguem com limitação de capacidade, mas têm horário ampliado em São Paulo

Começa neste sábado, 1º de maio, a terceira etapa da fase de transição do Plano São Paulo , ampliando o horário de comércios e serviços no estado. A partir de agora, conforme anunciado pelo governo paulista, as limitações de ocupação nos estabelecimentos seguem valendo, mas comércios, restaurantes, atividades culturais, parques e serviços em geral, como salões de beleza e academias, podem funcionar com horário ampliado.

A maior parte das atividades podem abrir às 6h e permanecer funcionando até às 20h , sem a necessidade de limitar o funcionamento durante o dia.

A partir de maio, horário de comércios e serviços é ampliado em São Paulo
Governo do Estado de São Paulo
A partir de maio, horário de comércios e serviços é ampliado em São Paulo

Até o fim de abril, nesta sexta (30), os estabelecimentos já poderiam abrir, mas tinham a limitação de oito horas por dia. Algumas academias e restaurantes , por exemplo, faziam uma espécie de rodízio para atingir os horários de pico, abrindo por quatro horas durante a manhã e mais quatro no fim do dia, de modo a atender, dentro do limite da capacidade, a maior quantidade possível de clientes.

Com a mudança, não há mais a limitação de horas de funcionamento diário. A obrigação dos estabelecimentos agora passa a ser respeitar a capacidade máxima de pessoas e o horário das 6h às 20h.

Bares (liberados apenas para delivery, drive-thru e retirada no local), universidades e atividades com aglomeração seguem proibidos.

O que está aberto em São Paulo e quais as limitações

  • Shoppings, galerias e comércio de rua (abertos das 6h às 20h e com 25% de ocupação máxima);
  • Restaurantes e similares - bares não inclusos - (das 6h às 20h e com 25% de ocupação máxima);
  • Salões de beleza e barbearias (das 6h às 20h e com 25% de ocupação máxima);
  • Igrejas e templos religiosos (25% de ocupação máxima);
  • Cinemas, teatros e atividades culturais (das 6h às 20h e com 25% de ocupação máxima);
  • Eventos e casas de show (das 6h às 20h, com todos sentados, sem aglomeração e 25% de ocupação máxima);
  • Academias de esporte e centros de ginástica (das 6h às 20h, com 25% de ocupação máxima);
  • Parques estaduais e municipais e zoológico (das 6h e 18h);
  • Farmácias e serviços de saúde (sem limitação horária);
  • Mercados, supermercados e locais que vendam comida sem consumo local (sem limitação de horário);
  • Escolas (retomada gradual, com até 35% da ocupação);
  • Cursos da área da saúde em universidades;
  • Construção civil e indústria;
  • Concessionárias;
  • Lavanderias;
  • Serviços de segurança pública e privada; e
  • Empresas de locação de veículos.

Em todos os lugares, o uso de máscara cobrindo o nariz e a boca é obrigatório. O toque de recolher das 20h às 5h está mantido.

O que mudou na nova etapa da fase de transição

  • Horários de restaurantes, serviços, atividades culturais e comércios ampliados das 11h às 19h para entre 6h e 20h; e
  • Academias deixam de ter a limitação de 8 horas diárias e têm a faixa horária permitida ampliada das 6h às 19h para 6h às 20h (14 horas diárias permitidas).

Segundo a prefeitura de São Paulo, na capital o rodízio de veículos permanece valendo normalmente no horário do toque de recolher, das 20h às 5h, de acordo com o final de cada placa.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários