Marcelo Queiroga, ministro da Saúde, recebeu pedido do Procon para barrar reajustes de planos de saúde
Reprodução
Marcelo Queiroga, ministro da Saúde, recebeu pedido do Procon para barrar reajustes de planos de saúde

O diretor-executivo do Procon-SP , Fernando Capez, enviou mensagem ao ministro da saúde, Marcelo Queiroga , pedindo que seja imposto um limite aos reajustes dos planos de saúde . A imposição seria feita à Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS).

A ANS não interfere nos preços dos planos coletivos, mas o pedido do Procon-SP é determinar o teto de 8,14% de reajuste, patamar hoje aceito pela própria agência para os planos de saúde individuais ou familiares.

O Procon-SP repetiu no pedido feito ao ministro da Saúde que as empresas não têm sido transparentes na divulgação dos custos e a ANS não tem exigido a comprovação da elevação de despesas.

"Dizer que haverá livre negociação é fechar os olhos à realidade e permitir que as operadoras fixem unilateralmente os novos valores", escreveu Capez a Queiroga.

Nesta segunda, o órgão de defesa do consumidor  entrou com uma ação civil pública contra várias operadoras de planos de saúde , solicitando informações sobre o impacto da queda da sinistralidade de 2020 nos reajustes dos planos coletivos. O prazo de resposta é de 30 dias.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários