O ministro da Economia, Paulo Guedes, e o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga
Folha de S. Paulo
O ministro da Economia, Paulo Guedes, e o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga


Desde a aprovação do Orçamento 2021 , o Ministério da Saúde vem pedindo verba extra para a compra de mais vacinas contra a Covid-19 , medicamentos de intubação e para o custeio dos leitos de UTI e enfermaria das vítimas da doença. Os pedidos devem acabar, já que o ministério da Economia cobrou mais informações antes de liberar o crédito adicional e propôs enviar recursos conforme a necessidade. 

A equipe de Paulo Guedes questiona, até mesmo, a chance de a pandemia de coronavírus arrefecer no País. 

Os pedidos de recursos para a importação de imunizantes ainda estão sendo analisados pela Economia. Com cerca de 17,5% do pedido atendido, a Saúde ainda aguarda o aval para receber outros R$ 8,5 bilhões para comprar mais vacinas.

Leia também

Na semana passada, a pasta da Saúde pediu R$ 15 bilhões para a compra de kits de entubação para os próximos 180 dias. O governo só liberou R$ 2,7 bilhões, por meio de uma medida provisória (MP). A compra só deve ser o bastante para formar estoque dos próximos 90 dias. 

Você viu?

Como revelado pelo jornal O Estado de S. Paulo, a Saúde tem passado dificuldades de acesso a verba pública desde que o ministro Guedes passou a questionar a execução de créditos já liberados durante a pandemia. 


Vacinas atrasadas


O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga , tenta antecipar para este ano as mais de 100 milhões de doses da Pfizer que seriam aplicadas em 2022. 

Em correspondência entre os ministérios, Guedes pede detalhamento sobre os contratos já firmados, além de qual volume ainda deve ser adquirido e quando os novos lotes serão entregues. A Saúde não tem atualizado o cronograma de recebimento e aplicações. 

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) também aguarda a liberação de R$ 3,4 bilhões para produzir 100 milhões de vacinas de Oxford/AstraZeneca no segundo semestre deste ano. Com a aprovação, o laboratório público passará a fabricar o insumo farmacêutico ativo (IFA) dos imunizantes. Com a capacidade de produzir a matéria-prima, o Brasil terá menos dependência da importação de ingredientes e vacinas prontas.

Marcelo Queiroga e sua pasta ainda têm cerca de R$ 10,5 bilhões disponíveis em créditos, de um total de R$ 32,47 bilhões de verba extra para este ano.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários