Lula disse que o Brasil piorou muito após o impeachment de Dilma e que nunca viu tanta fome como agora em São Paulo
Ricardo Stuckert/Fotos Públicas
Lula disse que o Brasil piorou muito após o impeachment de Dilma e que nunca viu tanta fome como agora em São Paulo

O ex-presidente  Luiz Inácio Lula da Silva (PT) afirmou nesta quinta-feira (15), em entrevista à rádio O Povo CBN, de Fortaleza, que nunca viu tanta  fome como agora em São Paulo, na periferia e no centro. Segundo Lula , o Brasil "piorou muito" desde a saída do PT do poder com o impeachment de Dilma em 2016.

"Em nível interno, internacional, empresarial, de renda e de emprego", elenca o petista sobre o que teria piorado desde a destituição de Dilma . "Há um desrespeito total com o pobre neste país", afirma Lula. "Me parece que as pessoas têm ódio quando o pobre sobe um degrau na ascensão social neste país. Eu fico muito irritado porque nós tínhamos acabado com a fome, a ONU reconheceu, e bastou derrubar a Dilma para 'melhorar o Brasil', segundo nossos adversários" completou.

O ex-presidente, que segundo pesquisa realizada pelo Poder360 é o  principal favorito para a Eleição de 2022 - vencendo Jair Bolsonaro em um eventual segundo turno por 52% a 34% -, evita garantir que concorrerá para voltar ao Planalto no ano que vem, mas ataca o atual governo e mostra disposição para derrubar o bolsonarismo.

"Minha briga agora é para tentar consertar o Brasil", garante Lula, que cita que Bolsonaro faz "tudo diferente daquilo que a ciência brasileira está pedindo" e ainda se aproveita ao atacar governadores e prefeitos.

"Os governadores do Nordeste são exemplos de quem Bolsonaro não devia ter raiva. Bolsonaro deveria chamar estes companheiros e falar: 'como é que vocês fizeram? Me ensinem como é que se faz, porque eu não sei conversar. Eu não sei conviver com quem é contrário'", recomendou Lula ao presidente.

Para o ex-presidente, os governadores nordestinos, em especial Camilo Santana, do PT, "fizeram um trabalho extraordinário" no enfrentamento à Covid-19 . Segundo Lula, Bolsonaro precisa parar de enfrentar os governadores e aceitar que, para diminuir a crise sanitária, agravada nas últimas semanas, terá de buscar ajuda, porque ele não tem capacidade.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários