Bolsonaro se reuniu com autoridades municipais e estaduais do Paraná para a inauguração de obras no Aeroporto de Foz do Iguaçu
Divulgação/Ministério de Minas e Energia
Bolsonaro se reuniu com autoridades municipais e estaduais do Paraná para a inauguração de obras no Aeroporto de Foz do Iguaçu

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse na tarde desta quarta-feira (07) que o governo federal fará o possível para privatizar parte das estatais listadas no programa de concessão. A declaração aconteceu na inauguração das obras no Aeroporto Internacional de Foz do Iguaçu, no Paraná.

Bolsonaro aproveitou o evento para justificar a importância da iniciativa privada ao exemplificar a internacionalização do aeroporto de Foz do Iguaçu.

“Como disse aqui, não teríamos recurso para investir mais pelo Brasil se não passarmos para privatizar a administração desses aeroportos e portos”, disse.

“Todas as estatais são importantes. O que nós pudermos fazer para privatizar parte das estatais, nós faremos”, concluiu Bolsonaro.

O evento também marcou a troca na presidência da Usina Binacional Hidrelétrica de Itaipu . O ex-presidente da estatal, Joaquim Silva e Luna, passará para o comando da Petrobras e deixará o cargo para João Francisco Ferreira.

Criticas a governadores

Jair Bolsonaro voltou a criticar as medidas restritivas de isolamento e lockdown adotados por governadores e prefeitos após o avanço da Covid-19 no país. Um dia após o país registrar recorde de mortes em 24 horas, com mais de 4 mil óbitos , Bolsonaro afirmou que as políticas de isolamento estão “empobrecendo” o país.

Você viu?

O presidente afirmou que lamenta as mortes, mas vê a falta de “humanidade” por parte dos poderes executivos municipais e estaduais.

“Essa política de ‘fica em casa’, de tirar emprego dos outros, de fechar o comércio, estar empobrecendo o nosso país. Sabemos o problema do vírus, mas sabemos também o problema e o desemprego”, criticou.

“Imagine os senhores estando desempregado, não podendo levar o pão para casa, para os teus filhos, como estaria a vida de vocês? Realmente está faltando um pouco de humanidade, por parte de muitos governadores e prefeitos do Brasil, nessa questão da pandemia”, completou Bolsonaro.

Mais cedo, em visita a cidade de Chapecó (SC), o presidente ressaltou ser contra as restrições e rechaçou a possibilidade de decretar lockdown nacional. 

"Que eu nunca fui favorável a ela, a não ser em uma emergência, a não ser, naquele momento, para você preparar as suas unidades de saúde. Lamentavelmente, isso continua valendo. Quem abre mão de um milímetro a sua liberdade, em troca de segurança, está condenada no futuro, não tem segurança e não tem a liberdade", disse. 

"Estou me lixando para [as eleições de] vinte e dois. Vai ter uma pancada de candidato ainda. Seria muito mais fácil a gente ficar quieto, se acomodar, não nesse assunto ou atender, como alguns querem, que da minha parte, que eu posso fazer um lockdown nacional. Não vai ter nacional", concluiu.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários