Mulheres estão cada vez mais presentes na B3
Edilson Dantas / Agência O Globo
Mulheres estão cada vez mais presentes na B3

Quando pensamos no perfil do investidor clássico, é fácil cair no estereótipo do homem de meia idade, de terno e cabelos grisalhos. Essa realmente era a realidade até pouco tempo, mas o cenário vem se transformando cada dia mais rápido. Apesar de ainda serem minoria, as mulheres vêm ganhando espaço exponencialmente. Segundo o relatório Perfil do Investidor , produzido pela B3 , só entre 2018 e 2020, o número de mulheres investindo na bolsa de valores saltou de 179.392 para 809.533

A taxa de crescimento em 2020 entre elas foi de 118,1%, muito à frente da evolução masculina de 84,3% entre os introduzidos na B3.

Participação feminina na B3 subiu de 22,06% em 2018 para 25,47% em 2020
Reprodução B3
Participação feminina na B3 subiu de 22,06% em 2018 para 25,47% em 2020










Esse panorama reflete a tendência de busca por independência e educação financeira crescente no universo feminino. Num Brasil ainda muito marcado pelo machismo , em que a diferença salarial média entre homens e mulheres é de 14%, e chega a 26% em cargos superiores, elas viram a necessidade de buscar alternativas que tragam autonomia a longo prazo.

Maite Leite , CEO do Deutsche Bank no Brasil, referência no tema liderança e presença da mulher no mercado financeiro, disse que “a busca das mulheres pela independência financeira por meio do trabalho, empreendedorismo e gestão dos recursos é absolutamente fundamental .”

“A autonomia financeira está associada ao ganho de confiança, aumento da autoestima, melhora da condição de vida, maiores aprendizados, oportunidades, e acima de tudo, ao bem-estar da família e de nós mesmas. A lista de benefícios é infinita, ainda mais em um ambiente tão instável e complexo como o que vivemos hoje”, acrescentou Maite. Ela é uma das líderes do programa Dn’A Women - Develop and Achieve (Desenvolva e Conquiste), criado pelo Deutsche Bank em conjunto com outras instituições, com objetivo de incentivar a diversidade, equidade e liderança das mulheres no mercado financeiro.

Maite Leite estará na  live do canal Brasil Econômico do YouTube para comentar o projeto, e debater a importância da presença feminina no mercado. A transmissão ocorrerá às 17h de quinta-feira (11).

A opinião dela vai ao encontro do estudo do Boston Consulting Group (BCG) sobre a prosperidade financeira feminina. Segundo a consultoria, a principal diferença na comparação com os investidores masculinos, é que o público feminino busca vincular as aplicações à  valores e propósitos , não apenas ao retorno financeiro. 

Segundo o mesmo levantamento, 32% da riqueza mundial já está sob o controle de mãos femininas. A projeção é que até 2023 esse número chegue a 34,2%.

Participação das mulheres na B3 por faixa etária e valor em bilhões


Participação das mulheres na B3 por faixa etária e valor em bilhões
Reprodução Forbes
Participação das mulheres na B3 por faixa etária e valor em bilhões
  • Até 15 anos: R$ 0,27 bi (0,8%)
  • 16 a 25 anos: R$ 5,39 bi (11,7%) 
  • 26 a 35 anos: R$ 39,01 bi (31,1%)
  • 36 a 45 anos: R$ 78,76 bi (26,4%)
  • 46 a 55 anos: R$ 82,5 bi (12,8%)
  • 56 a 65 anos: R$ 93,28 bi (9,9%)
  • Maiores de 66: R$ 153,2 bi (7,2%)

 Invista como uma mulher 

De 2018 para cá, houve uma redução drástica da taxa Selic, de 7% para 2%, fazendo com que a poupança e ativos de renda fixa deixassem de ser atrativos para o cidadão comum. 

Além disso, o surgimento de blogs, youtubers e influenciadores tratando de investimentos fez com que mais pessoas se interessassem pelo assunto. Segundo o relatório da B3, eles somam 65% da fonte de informação do investidor pessoa física.

Sendo assim, para vencer o vácuo de gênero, uma das principais barreiras a serem superadas é a da representatividade . Formada em economia pelo Insper, Betina Roxo, estrategista-chefe da Rico Investimentos, é uma das principais vozes femininas quando o assunto é representação. Ela se propõe a desmistificar o mercado por meio das redes sociais, e assim já soma mais de 90 mil seguidores no Instagram.

Você viu?



“Atualmente, mais da metade das mulheres ainda acredita que os parceiros entendem mais de finanças do que elas”, disse a integrante da lista de personalidades jovens “Forbes Under 30”. 

“O caminho ainda é longo porque, afinal, precisamos quebrar muitos paradigmas culturais da nossa sociedade. A boa notícia é que a perspectiva é de crescimento das mulheres investidoras, à medida que democratizamos o conhecimento e quebramos tabus. Além disso, a realidade da vida de grande parte das mulheres mostra que obrigatoriamente, em algum momento, elas terão que cuidar das suas próprias finanças”, acrescentou Betina.

Além dela, surgem outras iniciativas como o projeto MLHR3 , capitaneado por Camilla Dolle, chefe de renda fixa da XP, o coletivo tem o intuito de incentivar e capacitar mulheres para adentrar no mundo dos investimentos. 

“Fazer parte do MLHR3 –Mulheres que Transformam– é uma enorme realização, por presenciar de perto a mudança acontecendo em uma empresa tão relevante como a XP, em um mercado historicamente dominado por homens. Eu acredito verdadeiramente que a representatividade importa, e que, quando vemos nossos similares em posições que almejamos, temos mais força para buscar o que desejamos. Como falamos em nosso manifesto, ninguém pode sonhar com aquilo que não pode ver."

Manifesto MLHR3


“O caminho é longo, mas certamente chegaremos lá se todos, homens e mulheres, trabalharem juntos nesta jornada!”, finalizou Camila.

Cresce o número de mulheres analistas, porém o gap de gênero continua grande 

Segundo os dados da Anbima (Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais), as mulheres são maioria na CPA-10 (Certificação Profissional Anbima Série 10), uma certificação considerada inicial para trabalhar com distribuição de produtos de investimento. Atualmente, 58% dos profissionais CPA-10 são mulheres.

Já nos certificados mais avançados, elas ainda são minoria: 

  • CPA-20 (certificado para rendas mais altas): 45%
  • CEA(Certificação de Especialista em Investimentos Anbima): 35%
  • CFP (Certificação de Planejador Financeiro): 23%
  • CGA (Certificação de Gestores de Carteiras Anbima): 6%

No total, apenas 11% dos certificados brasileiros são de mulheres.

Essa realidade tem tudo para se transformar com celeridade. O meio corporativo das instituições financeiras ainda é muito masculino. Por isso a necessidade de maior representatividade, e de projetos que incentivem a introdução de mulheres nesse ambiente. No mundo de hoje, não podem existir profissões de meninos e profissões de meninas .






    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários