Polícia Civil e Procon-RJ realizam operação e 09 agências de veículos são autuadas
Procon-RJ
Polícia Civil e Procon-RJ realizam operação e 09 agências de veículos são autuadas

Na manhã de terça-feira (02), policiais civis que atuam na Defesa do Consumidor (DECON) e agentes do PROCON/RJ , realizaram ação fiscalizatória em diversas agências de compra e venda de veículos na avenida Intendente Magalhães. A investigação iniciou após diversos consumidores terem procurado a Polícia Civil relatando irregularidades nos estabelecimentos.  

Verificou-se que o financiamento de crédito foi feito irregularmente, sem a anuência do consumidor. Em alguns casos, o valor solicitado pelo cliente era duas vezes menor que o efetivamente contratado, fazendo com que o consumidor adquirisse uma dívida fraudulenta e desproporcional.  

Em outros casos, o documento assinado pelo cliente no momento da solicitação de crédito não era o mesmo enviado para as financiadoras. Em alguns casos o empréstimo saia em nome de terceiros não participantes da relação contratual.

Além das fraudes processuais, a ação visa apurar irregularidades administrativas praticadas pelos comerciantes.

Você viu?

Todas as lojas vistoriadas apresentaram irregularidades nas suas ofertas online, tanto em sites próprios, como em sites destinados a anúncios de venda de automóveis. Constatado indício de propaganda enganosa, o valor dos veículos informados na internet era o correspondente à parcela a ser financiada e, somente ao final, com letras miúdas, era informado que deveria ser acrescentada uma entrada ao valor. Todas as publicidades induziam o consumidor a acreditar que o preço informado era do carro à vista. No entanto, os fiscais constataram que no momento de formalizar a compra, havia outro valor de tabela para cada veículo. Além disso, nenhuma loja exibia os preços dos veículos, e as informações no site não eram passadas de forma clara ao consumidor.

No site de uma das lojas fiscalizadas, o Renault Sandero era anunciado por um valor em torno de 36 mil reais, no entanto, na loja, o valor de tabela era cerca de 52 mil à vista. Numa outra, o Renault Duster era ofertado por aproximadamente R$56 mil, mas o seu valor real à vista na loja era quase R$81 mil. 

Outro problema constatado em um dos locais, foi na hora da formalização do contrato. Caso o veículo fosse parcelado, o custo efetivo total do carro pulava para quase R$90 mil, mas isso não era informado ao consumidor. O contrato incluía o valor do parcelamento sem incluir os juros pagos à financeira, exibindo somente o valor das parcelas (cerca de 1700 reais) e a quantidade das prestações (48). Caso o consumidor não fizesse essa conta, acreditaria que o valor pago era cerca de R$53 mil e não os mais de R$88 mil, que representa o valor do financiamento somado à entrada.


    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários