Brasil Econômico

Edgard Marcondes, dono da agência de intercâmbio Let's Go World
Divulgação/Let's Go World
Edgard Marcondes, dono da agência de intercâmbio Let's Go World



Edgard Marcondes saiu da periferia de São Paulo para se tornar um empresário na Europa, onde já faturou 100 mil euros. Desde os 14 anos, ele tinha o sonho de fazer um intercâmbio e conhecer o mundo. Aos 25, se mudou para a Irlanda com a esposa, onde se tornou um empreendedor de sucesso. A história de Edgard foi contada neste sábado (13) pelo Uol.

O empresário hoje é dono da agência de intercâmbios Let's Go World , e enfrenta os desafios de se reinventar em meio à pandemia de Covid-19 .

A relação de Edgard com o empreendedorismo começou ainda na infância, quando seu pai decidiu largar o emprego de desenhista projetista em uma fabricante de trens para montar seu próprio negócio, uma fábrica de móveis tubulares.

O processo, porém, foi complicado, e a família chegou a precisar da ajuda de vizinhos para não passar fome. Oito anos depois, o pai de Edgard desistiu de empreender. "Meu pai deixou de ser empreendedor quando eu tinha 9 anos, por conta dos vários problemas, como calotes e tentativas frustradas. Aprendi o que são garra e determinação com o pai. Mas olhando como empreendedor, vejo hoje que não houve planejamento nem controle financeiro por parte dele", conta Edgard ao Uol.

Você viu?

Início da trajetória

Em 2013, já com 25 anos, Edgard e a esposa, Geisa, decidiram juntar as economias e se mudarem para Dublin, na Irlanda. Eles venderam tudo o que tinham, fizeram um empréstimo e embarcaram. 

Enquanto Geisa trabalhava como babá, Edgard tentava descobrir formas de empreender em Dublin - tarefa difícil para quem tinha apenas visto de estudante. 

Ele fundou, então, a Dublin Bike Shop, uma bicicletaria em parceria com um americano que tinha um galpão no centro da cidade cheio de bicicletas. Edgard consertava as bikes e as revendia. O negócio durou um ano.

Depois, o empreendedor começou a trabalhar como vendedor comissionado de pacotes de intercâmbio, trabalho no qual ganhava de 20% a 30% de comissão. Foi aí que ele teve a ideia de montar sua própria agência de intercâmbio: em 2015, nasceu a Let's Go World. A empresa tinha sede no Brasil (de responsabilidade de Edgard) e na Irlanda (responsabilidade do sócio argentino André Martins), já que ele não podia empreender sozinho por lá.

Mudança para Portugal

Em 2017, os dois decidiram mudar a sede da empresa para Portugal, mas quase foram à falência. ""Erramos em fixar os preços dos pacotes em reais. Quando um estudante comprava um pacote por R$ 12 mil, dava uma entrada de 20% e pagava o restante em até 10 vezes no boleto. No entanto, a grande variação cambial fez a empresa perder muito dinheiro. Muitos contratos foram fechados com o euro a R$ 3, R$ 3,50. Mas, um ano depois, quando o estudante iria embarcar, e nós tínhamos que fazer o pagamento do pacote para a escola e a acomodação, o euro estava em R$ 4,50. Gerou um grande prejuízo", conta Edgard ao Uol.

Depois disso, eles fizeram um empréstimo em Portugal e reestruturaram a empresa. Em 2019, o faturamento da Let's Go World foi de 100 mil euros. O lucro foi de 20 mil euros.

Agora, em meio à pandemia de Covid-19 , os negócios de intercâmbios ficaram afetados. Edgard aproveitou, então, para fundar outra empresa, a Let's Go Study, com cursos online profissionalizantes com certificado válido para Portugal.

Também em 2020, Edgard e outros oito empreendedores criaram a Associação Internacional Hub, plataforma criada para ajudar estrangeiros a montarem seus próprios negócios em Portugal. "Depois de três anos morando em Portugal e fazendo vários contatos, consegui me tornar um referencial para outros brasileiros. Na associação, somos nove diretores com expertise nas mais diversas áreas, como negócios, contabilidade, financeiro, marketing, RH e tecnologia", conta.

    Leia tudo sobre: empreendedorismo

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários