Preços dos imóveis residenciais ficaram mais altos em 2020, segundo FipeZap
iStock
Preços dos imóveis residenciais ficaram mais altos em 2020, segundo FipeZap

Os preços de imóveis residenciais no país registraram alta de 3,67% em 2020, a primeira em quatro anos, segundo dados divulgados nesta terça-feira (5) pelo FipeZap. O aumento decorre da maior procura por imóveis, impulsionada pela oferta de crédito imobiliário barata e pela busca de uma opção de investimento num cenário de juros baixos.

A alta ficou abaixo da projeção de inflação para o ano, de 4,38%, segundo dados do Boletim Focus do Banco Central, que reúne previsões de analistas de mercado . Em dezembro, o preço médio dos imóveis subiu 0,46%, mantendo a trajetória de alta do mês anterior.

O levantamento do FipeZap monitora a variação do preço médio de venda de imóveis residenciais em 50 cidades. Entre as 16 capitais monitoradas, apenas Recife não registrou aumento nos valores. Brasília e Manaus lideram as altas, com avanço de 9,13% e 8,76% no ano.

O Rio de Janeiro foi onde os preços subiram menos: alta de 1,6% em 2020. Mas a cidade ainda mantém o status de abrigar o metro quadrado mais caro do país. Em dezembro, custava R$ 9.437, valor seguido de perto por São Paulo , onde os interessados em imóveis pagam R$ 9.329 por metro quadrado. Brasília vem em seguida, com R$ 7.985 por metro quadrado.

Valor do metro quadrado nas capitais

  • Rio de Janeiro: R$ 9.437;
  • São Paulo: R$ 9.329;
  • Brasília: R$ 7.985;
  • Florianópolis: R$ 7.419;
  • Vitória: R$ 7.109;
  • Belo Horizonte: R$ 6.908;
  • Curitiba: R$ 6.498;
  • Recife: R$ 6.212;
  • Porto Alegre: R$ 6.046;
  • Fortaleza: R$ 5.948;
  • Salvador: R$ 5.210;
  • Maceió: R$ 5.195;
  • Manaus: R$ 5.047;
  • João Pessoa: R$ 4.515;
  • Goiânia: R$ 4.483; e
  • Campo Grande: R$ 4.376.

Variação de preço em 2020

  • Brasília: 9,13%;
  • Manaus: 8,76%;
  • Curitiba: 8,10%;
  • Maceió: 7,90%;
  • Vitória: 7,46%;
  • Florianópolis: 7,02%;
  • Campo Grande: 5,91%;
  • Goiânia: 4,80%;
  • Belo Horizonte: 4,47%;
  • João Pessoa: 4,30%;
  • São Paulo: 3,79%;
  • Salvador: 3,61%;
  • Porto Alegre: 2,59%;
  • Fortaleza: 2,74%;
  • Rio de Janeiro: 1,60%; e
  • Recife: -0,38%.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários