Volkswagen Caminhões e Ônibus
Divulgação/Volkswagen
Volkswagen Caminhões e Ônibus

Confiante na retomada da economia, a Volkswagen  Caminhões e Ônibus vai investir R$ 2 bilhões no Brasil no período de 2021 a 2025. Os investimentos serão feitos, principalmente, na fábrica da empresa em Resende , no Sul Fluminense, para a qual serão contratados mais 550 funcionários. O anúncio foi feito na manhã desta quinta-feira pelo presidente da companhia, Roberto Cortes.

Esse é o maior volume de investimentos já feito pela Volks Caminhões e Ônibus no Brasil em cinco anos. Nos ciclos anteriores, a companhia investia R$ 1,5 bilhão no período. Os novos aportes estão focados no desenvolvimento de novas tecnologias para melhoria da mobilidade, como veículos elétricos, e redução dos níveis de CO².

De acordo com o executivo, a empresa também investirá em digitalização , conectividade , em busca de transportes mais modernos e eficientes. Serão feitos investimentos ainda na internacionalização da marca.

A Volks iniciou recentemente a produção, em caráter experimental, do e-Delivery , o primeiro caminhão elétrico no país, já com encomendas que chegam a 1.600 unidades.

"Isso será sem dúvida, a grande vedete do próximo ano. Somos a primeira montadora brasileira a montar um produto no Brasil junto com os parceiros", disse Cortes.

A maior parte dos 550 novos empregados para a fábrica de Resende — cerca de 290 — vai trabalhar na nova linha de produção do Meteor , modelo de caminhão lançado recentemente. A linha terá, inclusive, um segundo turno. Os demais contratados vão atuar nas demais linhas de produção da fábrica.

A companhia tem enfrentado faltas eventuais de insumos para a produção de seus veículos, mas isso vem sendo administrado, de acordo com o executivo, e não tem afetado sua produção. Segundo ele, as vendas do grupo tiveram uma queda menor do que o setor nos últimos meses.

As vendas de caminhões no Brasil caíram 13,9% neste ano, e a produção recuou de 25%. Na Volks Caminhões e Ônibus, a queda nas vendas foi de 7%. No caso dos ônibus, houve retração da ordem de 33% das vendas neste ano no país, enquanto a empresa vendeu 23%menos.

"Não digo que estamos bem, mas estamos melhor do que esperávamos. E esperamos que a recuperação continue em 2021. Estamos confiantes na recuperação da economia e estamos nos preparando para isso", ressaltou Cortes.

O executivo acredita que esses níveis de venda serão logo recuperados. De acordo com ele, há um aumento na procura de caminhões por conta do aumento da movimentação de mercadorias no país.

"A confirmar o controle da pandemia, o crescimento acima do esperado do agrobusiness, a retomada da economia e, quem sabe, do apoio oficial do programa de renovação de frotas, vamos continuar investindo, crescendo e acreditando no nosso país".

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários