Brasil Econômico

pix
Marcello Casal JR/Agência Brasil
Maioria dos clientes já considera Pix melhor que TED e DOC, segundo pesquisa do IBOPE

Menos de um mês após seu lançamento oficial, o Pix, novo sistema de pagamentos e transferências bancárias instantâneas do Banco Central (BC), já é considerado melhor do que as transações tradicionais TED e DOC por 60% dos internautas, segundo pesquisa do IBOPEdtm realizada entre 18 e 24 de novembro. O levantamento foi encomendado pelo C6 Bank.

Oficialmente, as operações do Pix começaram em 16 de novembro, com transferências fora do horário comercial, sete dias por semana e 24 horas por dia. Além disso, as transações são gratuitas para pessoas físicas, enquanto TED e DOC costumam ser tarifadas e têm horários limitados.

Para 56% dos consultados, há intenção de usar o Pix para pagar contas de consumo, tais como telefone, água e luz. A ideia é pagar a conta de forma simples e rápida, diretamente pelo celular, no aplicativo do banco, fintech ou carteira digital em que está cadastrada a chave Pix de cada um.

De acordo com o levantamento do IBOPEdtm, mais da metade dos brasileiros pensam em priorizar pagamentos com o Pix no dia a dia em detrimento dos cartões de débito e crédito. 45% das pessoas disseram que têm intenção de fazer pagamentos de produtos e serviços em estabelecimentos comerciais usando o Pix. Nesses casos, os pagamentos são feitos por meio de um QR Code com um smartphone ou ainda pela tela do caixa do comerciante. Na prática, a transação funciona como uma compra no débito.

O Banco Central diz que, até 3 de dezembro, 99,7 milhões de chaves Pix já haviam sido cadastradas, com mais de 43 milhões de transações realizadas.

O cadastro das chaves Pix é gratuito para todos os brasileiros. Cada um tem direito a cinco chaves Pix, que podem ser CPF, número de celular, e-mail ou a chave com números e letras aleatórios.

A pesquisa do IBOPEdtm, feita após pedido do C6, ouviu 2 mil brasileiros de todas as regiões do País e tem margem de erro de 2 pontos percentuais.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários