Passada a busca urgente no início da pandemia do novo coronavírus para adaptar o negócio ao delivery , empresários de pequenos negócios e grandes redes estão investindo no desenvolvimento de aplicativos personalizados e para entrega própria de suas marcas.


A tendência que vem ganhando força tem entre seus principais atrativos um custo operacional menor, em torno de 5% por pedido — contra os cerca de 20% nas grandes plataformas - controle na logística e, principalmente, acesso à base de clientes, o que consolida a marca e permite traçar novas estratégias de vendas.

Marcas investem em apps próprios de 'delivery' para reduzir custos
Divulgação
Marcas investem em apps próprios de 'delivery' para reduzir custos

Na nova realidade digital, em agosto, a rede de shoppings Ancar Ivanhoe , em parceria com a Onyo, especializada em operações digitais de food service , lança no Rio o aplicativo FoodStop.

Ele funcionará como uma espécie de praça de alimentação virtual em cada um dos shoppings: Rio Design Barra e Rio Design Leblon , Botafogo Praia , Boulevard , Nova América , Nova Iguaçu e Madureira .

O chefe de marketing da empresa, Diego Marcondes , explica que pelo aplicativo, já em operação em São Paulo , o cliente pode visualizar o tempo de preparo antes de fazer o pedido e pagar pelo smartphone, assim como decidir se vai buscar no balcão, no drive-trhu, receber na mesa do shopping ou em casa via delivery. Neste último, a logística é terceirizada, mas organizada por eles.

"Para o lojista, fica mais barato, pois ele paga uma taxa de, no máximo 5%, através deste aplicativo. Nada vai substituir a experiência de sentar em um restaurante, mas entendemos que cada vez mais o cliente vai se relacionar on e off com as empresas", afirma. 

A rede de fast food de frango frito Hot N’ Tender também aposta em um aplicativo próprio como saída para que seus franqueados não dependam dos super aplicativos. O custo mensal é a partir de R$ 249.

O sócio-fundador Dany Levkovits lembra que em março o delivery representava de 5% a 10% das vendas, dependendo da loja.

O primeiro teste foi via WhatsApp em uma loja piloto no shopping Nova América . De abril para maio, porém, o número de pedidos dobrou, considerando todas as plataformas. Hoje, só a venda pelo app próprio corresponde a 50% do seu total.

Outra mudança no contato direto com o cliente foi o tipo de pedido. Diferentemente do balcão, onde os pratos individuais fazem mais sucesso, as pessoas aumentaram seu tíquete-médio de compra em casa. A partir disso, eles criaram os combos.

"Essa foi a nossa virada. O ouro do aplicativo próprio é o contato com o cliente, pois os grandes marketplaces não passam os dados. Conseguimos criar um sistema de fidelidade e de promoções mais direcionadas", diz Levkovits .

Ele acrescenta:

"Mantemos as vendas por outros canais digitais nossos e de terceiros, que têm bases grandes de clientes, eles são importantes. O que mudou é que a soberania deles era a tecnologia, mas hoje está mais barato desenvolver o meu próprio marketplace", afirmou. 

Segredo é na logística

O diretor de clientes e vendas do Grupo Trigo, Michel Jager , acrescenta que, além de conhecer o cliente, o pulo do gato é o domínio da logística. Com a expansão do delivery nos últimos meses, diz, o trajeto da comida até a casa do cliente se tornou uma área sensível e com falhas recorrentes.

O grupo, que detém as marcas Spoleto , Koni , Le Bonton e Gurumê , foi outro que fortaleceu os investimentos em tecnologia e plataformas próprias de e-commerce para suas marcas.

A exemplo da Koni, nas próximas semanas a Spoleto lançará um aplicativo próprio e as outras duas marcas devem seguir o mesmo caminho em breve.

Jager não revela o custo para ao franqueado, mas esclarece que cada um pode definir seus parceiros de logística. E, para não sobrecarregar o celular, não é necessário instalar o app, ele pode ser acessado pelo site também.

"Antes nós tínhamos o delivery, agora, somos o delivery . Isso muda a estratégia. Temos que ir até o cliente. Ter o aplicativo próprio tem um custo menor para nós e melhora a relação com o cliente. É claro que a ferramenta nunca está pronta, estamos em constante adaptação, mas há operação é mais barata", afirmou

Pequenos negócios

Operacionalizar por conta própria a venda digital não atraiu apenas as grandes redes. Em Laranjeiras e bairros vizinhos, um grupo de donos de bares, lanchonetes e restaurantes se uniram para ter um aplicativo gerenciado por eles.

No Mesa Local , os nove estabelecimentos têm acesso a base de clientes e acompanham de perto a entrega dos motoboys aos clientes.

A doceira e empresária Carolina Sales , conhecida por seus brigadeiros que levam o seu nome, tem quatro lojas no Rio e lançou mês passado seu próprio canal de vendas e entrega. O seu sócio e marido Rodrigo Sales, entretanto, explica que o motivo inicial foi reduzir os problemas na entrega:

"Sempre trabalhamos com entrega de encomendas, mas nunca nos interessamos pelos grandes aplicativos. Há dois anos testamos, mas usávamos pouco. Na pandemia é que eles se tornaram uma mão na roda. Colocamos toda a loja neles. Só que as taxas são muito altas. Ao mesmo tempo que tem um alcance bom pela quantidade de clientes cadastrados, cada pedido tinha cobrança de 12% a 20%. Além disso, começamos a ter muitos problemas nas entregas, então, fomos atrás de soluções", disse. 

A saída encontrada foi criar o próprio aplicativo. Custou R$ 5 mil para implementar e tem as taxas mensais, que, segundo ele, são bem abaixo do que tinham que pagar para as gigantes do mercado quando o assunto é entrega de comida on-line.

Contudo, assim como as demais marcas, eles mantêm a empresa em outros aplicativos.

"Queremos que o cliente pudesse comprar, pagar e combinar a entrega tudo conosco. Hoje, consigo atender todo o Rio, pois reduzimos custos e o atendimento é personalizado. Isso ajuda nas estratégias futuras e a não aumentar o preço para o cliente", avalia Sales .

    Veja Também

      Mostrar mais