Homem foi demitido por justa causa após tapa na bunda de colega em festa da firma
iStock
Homem foi demitido por justa causa após tapa na bunda de colega em festa da firma

A Justiça do Trabalho de Minas Gerais sustentou a decisão de uma empresa que demitiu um funcionário por justa causa após ele dar tapa na bunda de uma colega de trabalho em festa da firma, em Betim.

Após a direção da empresa ficar sabendo do ocorrido na festa de confraternização interna, o homem foi demitido sem direito às indenizações e verbas trabalhistas e rescisórias. Ele, porém, tentou reverter sua demissão por justa causa na Justiça, que negou seu pedido e manteve a decisão da empresa em que trabalhava.

O homem demitido após o caso de importunação sexual buscava receber todas as verbas de rescisão , tais como aviso-prévia, férias proporcionais, multa de 40% do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) e direito ao seguro-desemprego. No entanto, como a Justiça manteve a justa causa, ele saiu sem nada disso.

Karla Santuchi, juíza da 2ª Vara do Trabalho de Betim, diz que a conduta do homem foi "reprovável e grave" e suficiente para enquadrar a demissão como justa causa, de acordo com o artigo 482 da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT).

O trabalhador demitido não negou os tapas na bunda de sua colega durante a festa da firma , e a empresa usou conversas do WhatsApp como provas contra ele.

Segundo a decisão judicial, "Ainda que tenha ocorrido em festa de confraternização da empresa e não no horário de trabalho, ainda que tenha ocorrido após ingestão de bebida alcoólica, ainda que o autor tenha sido bom funcionário, não há justificativa para o ato do reclamante [o homem, que buscou recorrer da justa causa], que pode ser, inclusive, enquadrado, em tese, no artigo 215-A do Código Penal [crime de importunação sexual]". Não cabe recurso ao demitido.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários