pedro
Reprodução TV Brasil
Pedro Guimarães, presidente da Caixa Econômica Federal, falou das investigações da Polícia Federal no auxílio

Nesta quarta-feira (22), o presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, foi questionado sobre como estão as operações de bloqueios de contas por suspeita de fraudes no auxílio emergencial . "Eu tenho um limite de detalhes que posso dar, porque estamos muito ativos na prevenção. Se eu falar demais, vou colocar em risco as investigações, inclusive da Polícia Federal ", disse Guimarães durante coletiva de imprensa.

"Estamos em investigações profundas que certamente vão gerar resultados. Se a gente explicar demais, a gente vai alertar os fraudadores e isso não podemos fazer", afirmou. O presidente não respondeu sobre os critérios de bloqueio das contas poupanças digitais do Caixa Tem, mas explicou, no entanto, sobre qual o perfil das pessoas que tiveram a conta bloqueada. 

Há dois grupos que tiveram as contas do Caixa Tem bloqueadas: 51% dos bloqueados são suspeitos de fraude (de terem sofrido ou praticado fraude para recebimento do auxílio); os outros 49% de pessoas bloqueadas estão com dados inconsistentes e devem atualizar seus cadastros, enviando documentos pelo aplicativo Caixa Tem e pelo  WhatsApp oficial da Caixa (0800 726 0104). 

Esse segundo grupo pode também ir às agências, mas o envio de documentos por via digital estará disponível nesta quinta-feira (23) para evitar aglomerações.

"É muito fácil ver a diferença entre os dois grupos. Quando há fraudes, as nossas áreas de tecnologia percebem, é algo muito claro. Nós realizamos esse bloqueio de conta e a pessoa deve mostrar que a conta é dela mesma. Deste grupo, esperamos que poucos vão às agências, porque os indícios de fraude são muito claros", disse o presidente.

Guimarães também falou sobre o  calendário de pagamento do auxílio, que chegará à  quinta parcela no mês de agosto. A nova organização dos cronogramas tem ciclos, e continua com o escalonamento de crédito digital e saques em datas divididas pelo mês de nascimento dos beneficiários.


Caixa renovou a suspensão de pagamentos imobiliários

A Caixa ampliou o tempo de suspensão de pagamentos de  parcelas da casa própria. Até esta quarta-feira (22), famílias que participam de programas como o  Minha Casa Minha Vida tinham 120 dias de pausa nos pagamentos, medida criada em março por conta da crise da pandemia. Agora, o tempo passa a ser de 180 dias no total, o que equivale a seis meses de pausa nas prestações habitacionais.

    Veja Também

      Mostrar mais