Brasil Econômico

protesto fora dilma paulista
Creative Commons
Protestos na Avenida Paulista foram puxados pelo MBL e outros movimentos populares

Ao determinar a prisão de dois empresários supostamente envolvidos com o Movimento Brasil Livre (MBL) , o juiz Marco Antonio Vargas disse que a família de Renan Santos, líder do movimento, comprou empresas perto de falência para fugir do pagamento de impostos e lucrar às custas dos consumidores.

O juiz, no entanto, impediu a suspensão das atividades econômicas de ambos os ligados ao MBL , que havia sido solicitada pelo Ministério Público, porque a pandemia "exige a preservação de empregos e a viabilização de exercício de atividades laborativas lícitas".

A Receita Federal afirmou, no pedido de prisão dos empresários, que a família de Renan Santos , um dos principais nomes do MBL, adotou um esquema para lucrar às custas dos consumidores ao evitar pagar impostos .

renan santos mbl
Reprodução/YouTube
Renan Santos, líder do MBL, criou estratégia para comprar empresas perto de falência para não pagar impostos

"Eles não declaram nem pagam os tributos, e com isso enriquecem com a apropriação indevida dos tributos pagos pelos consumidores finais", diz o pedido de prisão. Segundo a Receita, esse é o "segredo do sucesso" dos empresários ligados ao MBL.

A operação que prendeu os empresários, batizada de "Júnior Moneta", investiga fraudes e desvios de até R$ 400 milhões . Apesar da ligação entre os presos e o MBL, o MP afirmou que os desvios até o momento não são da alçada política, e sim envolvendo empresas ligadas aos presos.

    Veja Também

      Mostrar mais