Backer
REPRODUÇÃO/G1
Luciano ganhou festa dos profissionais da saúde ao deixar o hospital


O bancário Luciano Guilherme de Barros, de 57 anos, recebeu alta na última quarta-feira (03), depois de ficar seis meses internado por intoxicação causada pelas cervejas produzidas pela Backer . Ao deixar o hospital, em Belo Horizonte, ele recebeu uma festa feita por enfermeiros e médicos que atuaram em seu tratamento.

Leia também:

Justiça ordena e dá prazo para Backer pagar despesas médicas de intoxicados

Em Minas Gerais, credor pede falência da cervejaria Backer

Caso Backer: investigação ainda busca solução três meses depois

"Eu sou muito espirituoso, fiquei amigo de toda equipe médica, aí na saída foi aquela festa. Foi muito emocionante", contou Luciano ao Uol. O bancário foi uma das vítimas intoxicadas por por dietilenoglicol , substância presente em lotes da cerveja. 

Luciano comprou a cerveja Belo Horizontina em promoção em novembro do ano passado, e começou a se sentir mal depois de tomá-la. Em 06 de dezembro de 2019, ele foi internado com paradas cardíacas. 

O bancário precisou passar por duas cirurgias, nas quais perdeu 70 cm do intestino. A vítima deixa o hospital com funções renais permanentemente comprometidas, danos à audição, visão, paralisia facial e 37 kg a menos.

70 dos 180 dias de internação foram passados na Unidade de Tratamento Intensivo ( UTI ), e a alta só veio para evitar um possível contágio de Covid-19 . Mesmo em casa, o bancário continua com os tratamentos. 

De acordo com o G1, todos os contatos telefônicos e e-mails enviados à Backer pela família de Luciano a respeito das despesas médicas nunca foram respondidos. 

A esposa do bancário pediu demissão para cuidar do marido e, hoje, a família enfrenta dificuldades financeiras. Outras vítimas da Backer se encontram na mesma situação.  

    Veja Também

      Mostrar mais