Brasil Econômico

botijões de gás
Pedro Ventura/Agência Brasília
Após prorrogação da suspensão de corte e reajuste nacional da Petrobras, botijão de gás vai subir 10% em São Paulo

Após o governador de São Paulo, João Doria (PSDB),  prorrogar o período livre de corte por inadimplência nas contas de gás, luz e água até o final de julho em anúncio nesta quarta-feira (3), a Petrobras anunciou um  reajuste nacional de 5,3% no preço médio do GLP, o gás de cozinha, vendido às distribuidoras pela estatal. Em São Paulo, a consequência desse aumento será dura, e os botijões de 13 kg terão alta de 10%.

Leia também:

Comércio no estado de São Paulo deve ter queda de 33% em junho

Governo repassa R$ 84 milhões do Bolsa Família no Nordeste para publicidade

Demitidos na quarentena podem pedir auxílio emergencial: veja critérios

De acordo com o Sindicato das Empresas Representantes de Gás Liquefeito de Petróleo da Capital e dos Municípios da Grande São Paulo (Sergás), o valor repassado ao consumidor com o reajuste será de aproximadamente R$ 5,20 sobre o preço máximo de R$ 70. Hoje, a média de preços do botijão de gás de 13 kg na capital é de R$ 68,04, segundo pesquisa da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) feita entre 24 e 30 de maio.

Em abril deste ano, Sergás e Procon-SP chegaram a acordo para limitar o valor do botijão a R$ 70 até julho, mas limite já deve ser excedido antes do prazo. O sindicato diz que quer a posição do órgão de controle, mas que vai repassar o aumento de qualquer forma.

Além do reajuste de 5,3% anunciado nesta quinta, o gás já havia sofrido outra alta similar, de 5,2%, em maio, o que, segundo o sindicato, justifica o repasse ao consumidor.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários