fabio kanczuk, diretor do bc
Geraldo Magela/Agência Senado
Fabio Kanczuk, diretor do BC, indicou que a Selic deve cair ainda mais na próxima reunião do Copom

O diretor de Política Econômica do Banco Central (BC), Fábio Kanczuk, disse nesta quarta-feira (3), que a taxa básica de juros, a Selic, pode cair ainda mais e atingir 2,25%, que não é um limite que não pode ser cruzado para o Banco Central. Ele participou uma transmissão ao vivo da Câmara de Comércio Brasil — Estados Unidos.

Leia também: TCU vê risco de 8,1 milhões de pessoas terem recebido auxílio indevidamente

Na última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), no início de maio, a taxa Selic foi reduzida para 3%. Naquele encontro, os diretores e o presidente do BC, que compõem o Copom, sinalizaram que poderia haver outro corte na taxa, de 0,75 pontos.

"Eu diria que não vejo a taxa de 2,25% como algo que está escrito em uma pedra, algo já fixado, que já temos em mente que não podemos cruzar. Nós vimos membros diferentes do Copom fazendo cálculos diferentes", disse o diretor do BC .

A próxima reunião do Copom será em duas semanas e deve decidir pelo corte previsto ou se uma redução maior será necessária.

A redução na Selic é utilizada como uma forma de estimular a economia. Quando ela está em níveis mais baixos, as outras taxas de juros da economia tendem a reduzir também, tornando o crédito mais barato. Dessa maneira, estimula a tomada de financiamentos e empréstimos, o que, em tese, leva a mais investimentos.

No entanto, o limite inferior dessa taxa já estava em discussão na última reunião. O chamado "lower bound" descreve o patamar mínimo em que a Selic perde sua eficácia em estimular a economia. O tema deve voltar a ser discutido na nova reunião, já que alguns membros do Copom discordaram sobre qual seria esse limite.

Teto de gastos

O diretor do BC diz que está “otimista” e que não vê um risco de desrespeito ao teto de gastos em 2021.

"Eu não vejo nada que arrisque o teto de gastos. Para mim, parece que tudo vai voltar ao normal no próximo ano. Quando eu converso com colegas do Tesouro, eles me dizem que estão preparando o Orçamento do próximo de maneira com que o teto seja respeitado", disse.

Kanczuk também comentou sobre o nível das reservas internacionais em dólares do Banco Central. Segundo o diretor, o nível está adequado.

"Os problemas não estão tão grandes como eles poderiam porque quando o real deprecia, as reservas ganham um valor maior e a dívida reduz."

Segundo o diretor, só o fato do Brasil ter reservas consideráveis, hoje em torno de US$ 345 bilhões, dá mais segurança para o país durante a crise. Kanczuk diz também que a venda de reservas no mercado não afeta o nível das reservas.

"Não há objetivo no termos de aumentar ou diminuir as reservas. Estamos agindo para melhorar o funcionamento do mercado de câmbio, mas quando fazemos isso, fazemos com pequenos montantes. Esses valores não são grandes o bastante para nos preocupar sobre o nível das reservas", defendeu.

Leia também: Bolsonaro: "quarta e quinta parcelas do auxílio emergencial estão acertadas"

O Banco Central faz vendas ou compras no mercado de câmbio quando acredita que os preços estão muito voláteis ou quando há falta de dólares no mercado.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários