O presidente Jair Bolsonaro editou, nesta terça-feira (26), uma medida provisória (MP) que concede aumento a policiais e bombeiros do Distrito Federal . A medida era um dos últimos obstáculos a impedir a sanção do projeto de ajuda a estados e municípios, que traz como contrapartida o congelamento salarial dos servidores por 18 meses. A polícia do DF é a mais bem paga do Brasil.

Associação das empresas aéreas diz que desafio é evitar que 'afundem em dívidas'

A MP foi assinada em uma cerimônia fechada no Palácio do Planalto , no início da tarde. O presidente do Senado, Davi Alcolumbre ( DEM-AP ), e o vice-governador do Distrito Federal , Paco Britto, participaram da cerimônia. O aumento será de 25% para policiais militares e bombeiros e de 8% para policiais civis. Paco Britto afirmou que se trata de uma "recomposição", e não de um reajuste.

Jair Bolsonaro e Paulo Guedes
Marcos Corrêa/PR - 1.4.20
Jair Bolsonaro e Paulo Guedes


"Não estamos falando de reajuste, estamos falando uma recomposição de anos atrás", afirmou. 

Paco Britto disse não saber qual será o custo do aumento. O próprio governo do Distrito Federal , contudo, estima que o impacto orçamentário será de R$ 505 milhões por ano.

O Congresso já aprovou e Bolsonaro sancionou projeto que autoriza, na Lei de Diretrizes Orçamentárias ( LDO ), a recomposição salarial para policiais e bombeiros do DF, cujas folhas são custeadas pelo Fundo Constitucional do Distrito Federal ( FCDF ). A MP agora oficializa o aumento.

"O que foi aprovado no Congresso foi a previsão, foi colocada na Lei Orçamentária. Agora, a MP é para sair o valor", disse o ex-deputado federal Alberto Fraga , que também participou da cerimônia.

Inflação da construção civil sobe para 0,21% em maio

Outro entrave para a sanção do socorro aos estados é a contratação de 180 policiais para a Polícia Rodoviária Federal , aprovados em concurso em 2018. Técnicos do Ministério da Justiça também trabalham em um decreto para realizar essa contratação, já que o projeto também proíbe novas contratações permanentes até 2021.

De manhã, Bolsonaro afirmou que deveria sancionar o texto até amanhã e que estava "resolvendo" a questão dos concursados.

"O limite acho é amanhã. Acho que até amanhã vai. Estamos resolvendo a questão dos concursados da PRF", disse o presidente, na saída do Palácio da Alvorada .

    Veja Também

      Mostrar mais