A ajuda financeira é a tabua de salvação para que as empresas aéreas não sucumbam e consigam superar a crise causada pela pandemia do novo coronavírus (Sars-Cov-2) , avalia a Associação Internacional de Transporte Aéreo ( IATA ).

Tem passagem da Latam? Saiba como a recuperação judicial afeta os brasileiros

Segundo estimativas da IATA , com a pandemia, a dívida do setor aéreo pode subir para US$ 550 bilhões até o fim do ano, o que representa um aumento de US$ 120 bilhões (28%) em relação aos níveis de dívida no início de 2020, mostra análise divulgada nesta terça-feira pela associação das empresas aéreas.

Azul teve prejuízo bilionário no primeiro trimestre deste ano
Divulgação
Azul teve prejuízo bilionário no primeiro trimestre deste ano


“O auxílio dos governos está ajudando a manter a indústria. O próximo desafio será impedir que as companhias aéreas afundem sob o peso da dívida que esta ajuda está criando”, disse Alexandre de Juniac , diretor-geral da associação, em nota.

Do montante de US$ 120 bilhões dessa nova dívida, US$ 67 bilhões é composto por empréstimos do governo (US$ 50 bilhões), impostos diferidos (US$ 5 bilhões) e garantias de empréstimos (US$ 12 bilhões), enquanto que os US$ 52 bilhões restantes são provenientes empréstimos comerciais (US$ 23 bilhões), dívida do mercado de capitais (US$ 18 bilhões), dívida de novos arrendamentos operacionais (US$ 5 bilhões) e acesso às linhas de crédito existentes (US$ 6 bilhões).

Tem reserva financeira? Momento pode ser favorável para comprar imóvel

No total, os governos ao redor do mundo se comprometeram com US$ 123 bilhões em ajuda financeira às companhias aéreas, mas US$ 67 bilhões desse total precisarão ser reembolsados.

Do saldo restante, um fatia de US$ 34,8 bilhões é relacionada a subsídios salariais, seguido por financiamento de ações (US$ 11,5 bilhões) e desoneração ou subsídios fiscais (US $ 9,7 bilhões). Isso é vital para as companhias aéreas que gastarão cerca de US$ 60 bilhões em dinheiro apenas no segundo trimestre de 2020.

“Mais da metade do alívio concedido pelos governos cria novos passivos. Menos de 10% serão adicionados ao patrimônio da companhia aérea. Isso muda completamente o quadro financeiro da indústria . Pagar a dívida dos governos e credores privados significará que a crise vai durar muito mais do que o tempo necessário para a demanda de passageiros se recuperar ”, acrescentou De Juniac .

Os US$ 123 bilhões em ajuda financeira dos governos serpá equivalente a 4% da receita total do setor em 2019, que totalizou US$ 838 bilhões.

    Veja Também

      Mostrar mais